Segunda-feira, Maio 27, 2024
spot_img

CTA critica restrições de viagem da Omicron

A Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA) condenou a suspensão dos voos de e para Moçambique com base na variante Covid-19 “Omicron”, como uma “posição discriminatória” do “Ocidente”.

“O CTA condena a atitude dos países ocidentais pela atitude discriminatória que adoptaram”, disse Nuno Quelhas, presidente do comité de resposta do sector privado Covid-19 do CTA, durante uma conferência de imprensa em Maputo.

Para os empregadores moçambicanos, o cancelamento dos voos sugere “uma desarticulação e falta de unidade na luta contra” o novo coronavírus, que tem “afectado gravemente a vida social e económica” de vários países, “especialmente com economias em desenvolvimento, como Moçambique”.

“Estas restrições podem contribuir para a retracção dos investimentos e contracção do fluxo da actividade económica no país”, salientou Qelhas.

O CTA advertiu ainda que o fluxo de viagens para Moçambique poderia, se estas proibições continuarem, terminar o ano a menos de 180 milhões de dólares, salientando que o sector do turismo será provavelmente o mais afectado pelo cenário actual.

Relativamente às restrições a serem adoptadas para evitar a propagação da variante Omicron, os empresários moçambicanos sugerem incentivos para aqueles que apresentem certificados de vacinação, para encorajar a adesão e acelerar o processo de imunização.

O CTA sugere também que o governo moçambicano interceda junto dos países da região sobre a “necessidade de levantar ou racionalizar as restrições de viagem” entre a África e a União Europeia.

Vários países, incluindo Portugal, suspenderam os voos com Moçambique, na sequência da identificação da variante Omicron Covid na vizinha África do Sul.

O ministro da saúde de Moçambique, Armindo Tiago, anunciou na terça-feira que dois casos Covid-19 relatados em Novembro estão agora a ser investigados quanto à possibilidade de serem a variante Omicron, um paciente com sintomas ligeiros, e o outro nenhum.

O ministro Tiago disse que não havia “razão para pânico”, observando que as actuais provas científicas não demonstraram que a variante tivesse “maior potencial de transmissão” nem que “pudesse causar doenças graves ou escapar à protecção gerada pela vacina”.

Entrevistas Relacionadas

Emose obteve lucro de mais de 40 milhões de Meticais em 2023

O resultado líquido da Empresa Moçambicana de Seguros (Emose)...

INP considera movimento da Galp como rotineiro

O Instituto Nacional de Petróleo (INP) declarou na Quinta-feira,...

Vodacom Moçambique lança Fundação para impacto social

A Vodacom Moçambique fez o lançamento oficial da Fundação Vodacom Moçambique. A cerimónia...

Galp concluiu a venda da sua participação no projecto GNL

A Galp concluiu a venda de sua participação no...