Um evento que contará com a participação do Presidente da República  Filipe Nyusi , co-organizado pelo Presidente da República do Senegal e Presidente em exercício da União Africana, Macky Salll, e pelo Grupo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), constituirá uma plataforma de diálogo entre os líderes africanos sobre como identificar políticas prioritárias para entrega de tecnologias e agregação de valor em escala.

Durante a cimeira, os governantes irão debruçar-se sobre parcerias internacionais, desenvolvimento do sector privado, financiamento e tecnologias para os sistemas alimentares.

Sobre a Cimeira de Dacar  2

Diversificação da produção alimentar para o mundo

Globalmente, 828 milhões de pessoas sofrem de fome, sendo África responsável por 249 milhões, um terço do número de pessoas famintas no mundo. Atingir o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável Número 2 da Fome Zero não pode ser alcançado a menos que seja alcançado em África. As Nações Unidas observaram que África deve ser o foco, onde “o número de subnutridos está a crescer mais rapidamente do que em qualquer parte do mundo”.
Alimentar o mundo exige, portanto, que os sistemas alimentares globais sejam alterados para desbloquear totalmente o potencial de produção alimentar de África. Este é o mesmo apelo esclarecedor das Nações Unidas: “Uma mudança profunda do sistema alimentar e agrícola é necessária se quisermos alimentar mais de 828 milhões de pessoas que passam fome hoje e os 2 mil milhões adicionais que o mundo terá até 2050. O aumento da produtividade agrícola e a produção alimentar sustentável são cruciais para ajudar a aliviar os perigos da fome”.
A escassez de alimentos pode causar graves problemas sociais e políticos. Como afirmou o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, “os governos devem reforçar a produção agrícola e investir em sistemas alimentares resilientes que protejam os pequenos produtores de alimentos. “Se não alimentarmos as pessoas, alimentamos os conflitos”.

Relacionado  BM investe para melhoria no fornecimento de água potável aos moçambicanos

Libertar o potencial alimentar e agrícola de África

Apesar de ter 65% das terras aráveis restantes para alimentar 9 mil milhões de pessoas no mundo até 2050, o continente importa mais de 100 milhões de toneladas métricas de alimentos, com um custo de 75 mil milhões de dólares anuais. África tem potencial para se alimentar a si própria e contribuir para alimentar o mundo. Só as suas vastas áreas de savana estão estimadas em 400 milhões de hectares, dos quais apenas 10% (40 milhões de hectares) são cultivados.
Investir no aumento da produtividade agrícola, apoiar infraestruturas, sistemas agrícolas climáticos inteligentes, com investimentos do setor privado ao longo de toda a cadeia de valor alimentar, pode ajudar a transformar África num celeiro para o mundo. Alcançar a fome zero em África exigirá entre 28,5 mil milhões e 36,6 mil milhões de dólares anuais. Com a eliminação das barreiras ao desenvolvimento agrícola ajudada por novos investimentos, estima-se que a produção agrícola africana possa aumentar de 280 mil milhões de dólares por ano para 1 bilião de dólares até 2030.
Para diversificar ainda mais as fontes de abastecimento alimentar para o mundo, num contexto de efeitos prolongados da guerra na Ucrânia e os seus efeitos sistémicos a nível global, e para assegurar o abastecimento alimentar para África, é agora fundamental apoiar os esforços para libertar o potencial agrícola de África para uma produção alimentar sustentável. África tem a ganhar, e o mundo tem a ganhar, com esse esforço concertado.

Relacionado  RSM debate impactos das indústrias de petróleo, gás e mineração nas comunidades

 

Dar escala aos sucessos: Compactos de Garantias Alimentares e Agrícolas

Chegou agora o momento de desbloquear totalmente o seu potencial agrícola.
A forte vontade política dos Chefes de Estado africanos, a disponibilidade de tecnologias e plataformas para fornecer de imediato tecnologias agrícolas inteligentes em matéria de clima à escala de milhões de agricultores, os incríveis sucessos de alguns países em alcançar a autossuficiência em culturas selecionadas num período muito curto, tudo isto mostra que África pode atingir a meta de ‘fome zero’. Mostra também que chegou o momento de uma coligação global de esforços em toda a África para desbloquear o seu imenso potencial agrícola para se tornar um destino global e fazer face à crescente escassez de oferta alimentar no mundo.
Isto exigirá esforços concertados para obter resultados de forma mensurável. Para assegurar a responsabilização pela garantia de resultados, os sistemas de investigação e desenvolvimento, alimentação nacional, e sistemas agrícolas, serão estruturados em torno do desenvolvimento de “Compactos de Garantias Alimentares e Agrícolas”.

A agenda da Cimeira será orientada para a ação e vai:

  • Mobilizar o compromisso político de alto nível em torno da produção, mercantilização e comércio para assegurar “ Compactos de Garantias Alimentares e Agrícolas” para países selecionados.
  • Mobilizar e alinhar recursos governamentais, parceiros de desenvolvimento e financiamento do setor privado em torno dos “Compactos de Garantias Alimentares e Agrícolas” para alcançar a segurança alimentar em escala em cada país.
  • Partilhar experiências de sucesso sobre alimentação e agricultura em países selecionados e plataformas bem-sucedidas para aumentar o apoio à agricultura.
  • Duplicar a produtividade agrícola com tecnologia de ponta em culturas, pecuária e aquacultura adaptadas ao clima e serviços de aconselhamento e apoiar a investigação e desenvolvimento de tecnologias agrícolas resistentes ao clima.
  • Desenvolver as infraestruturas e a logística necessárias com Zonas Especiais de Processamento Agroindustrial para construir mercados e cadeias de valor alimentares e agrícolas competitivas.
Relacionado  Líderes da SADC vão participar da Cimeira da UA e da UE

Alimentar África: Soberania e Resiliência Alimentar

A Cimeira de três dias será acolhida por Sua Excelência o Sr. Macky Sall, Presidente da República do Senegal e Presidente da União Africana, e coorganizada pelo Grupo Banco Africano de Desenvolvimento. Realizada de 25 a 27 de janeiro de 2023 em Dacar, no Senegal, a Cimeira procura reunir Governos, Setor Privado, Organizações Multilaterais, ONG e cientistas para enfrentar o crescente desafio da segurança alimentar em África.

Resultado esperado de Dacar 2

No final da Cimeira de Alto Nível, espera-se que sejam assumidos compromissos pelos Chefes de Estado:

  • Compactos de Garantias Alimentares e Agrícolas por País
  • Conselhos Presidenciais para os Compactos de Garantias Alimentares e Agrícolas
  • Enquadramento do Financiamento para a garantia dos Compactos de Garantias Alimentares e Agrícolas do País para alcançar a ‘fome zero’.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui