O sector privado perdeu cerca de 148 milhões de dólares com a suspensão do Projecto Mozambique LNG, liderado pela Total. A acção ocorreu devido aos ataques ocorridos no mês de Março na vila de Palma, em Cabo Delgado. A informação foi dada pelo Presidente da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), Agostinho Vuma.

“De acordo com a avaliação feita, o volume total de perdas registadas para o sector empresarial é cerca de 148 milhões de dólares. Subsistem algumas incertezas devido ao
agravamento da segurança da província nortenha de Cabo Delgado”, disse Vuma, durante a quinta edição do Economic Briefing.

O Presidente da CTA que actualizou os prejuízos decorrentes do não pagamento de mercadorias encomendadas para alimentar o Projecto Mozambique LNG. Relatou que a estimativa do valor das mercadorias já adquiridas para o fornecimento ao projecto da Área 1 ascende a cerca de 28,50 milhões de USD, sendo que 12,79 milhões (correspondentes a 45%) estavam em stock e 15.72 milhões de USD em trânsito.

“Parte considerável destas mercadorias, sendo perecível, possui um prazo de vencimento da sua validade (exemplo, refrigerantes, legumes, carnes, etc.), o que vem exacerbar as perdas decorrentes desta situação. Em suma, de acordo com a avaliação feita, o volume total de perdas registadas pelo sector empresarial estima-se em cerca de 148.11 milhões de USD”, declarou.

Relacionado  Governo moçambicano disponibiliza USD50 milhões para empresas pesqueiras

Além de números, Vuma disse que os ataques terroristas do dia 24 de Março ao distrito de Palma, agudizaram o clima de insegurança, desconfiança e incertezas no ambiente económico, tanto para os investidores estrangeiros, como nacionais e, relativamente ao
ambiente de negócios, subsistem algumas incertezas devido ao agravamento da situação da segurança em Cabo Delgado.

De acordo com a avaliação feita, mais de 410 empresas foram afectadas, colocando em risco aproximadamente 56 mil postos de trabalho, directos e indirectos, devido à suspensão dos vários contratos de fornecimento de bens e serviços firmados entre a Total e as suas contratadas bem como entre estas e as suas subcontratadas.

Para mitigar esses efeitos, a CTA propõe, a curto prazo, a introdução de um plano de aquisição de mercadorias das empresas afectadas; adiamento do pagamento de encargos aduaneiros e Imposto sobre Valor Acrescentado para mercadorias em trânsito; medidas fiscais excepcionais para a província de Cabo Delgado; e redução das facturas de electricidade em 50% em toda a província de Cabo Delgado.

Relacionado  A Business Master, oferece oportunidades de negócios e investimentos

 

 

FONTEPonto Certo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui