Subscreva a nossa newsletter

DFI da ExxonMobil pode ser adiada até 2023, dizem analistas

Análise de Mercado

A consultora Fitch Solutions considerou que a insegurança no Norte de Moçambique vai levar a petrolífera norte-americana ExxonMobil a adiar a Decisão Final de Investimento (DFI) para 2023, dificultando o crescimento económico do país africano.

“Devido à actividade militante persistente e à incerteza relativamente ao financiamento do projecto, estamos céticos sobre o projecto Rovuma LNG, da ExxonMobil, começar a dar frutos a curto prazo, e consequentemente não antevemos uma DFI até 2023, com os riscos a tenderem para o lado negativo”, dizem os analistas.

Num comentário à situação de insegurança vivida na província de Cabo Delgado, os analistas desta consultora salientam que, “apesar de a insurgência no país continuar a ameaçar o desenvolvimento do sector de gás natural liquefeito, os três projectos planeados para o país deverão entrar em funcionamento, apesar dos riscos”.

Sobre o projecto da Total, um investimento de 20 mil milhões de euros perto de Palma, a vila atacada em 24 de Março, a Fitch Solutions espera que a petrolífera francesa retome as obras tão cedo quanto possível, mas alerta que este projeto da Área 1 “sofre de riscos cada vez maiores face aos prazos iniciais se a desmobilização for prolongada”.

Nem tudo está perdido

Ainda assim, os consultores consideram que os projectos vão concretizar-se, antecipando uma aceleração do crescimento económico a partir do próximo ano, ligado ao funcionamento da estrutura ao largo da costa, operada pela Eni, que fará as exportações de gás subirem para 1,3 mil milhões de metros cúbicos em 2022 e 4,6 mil milhões de metros cúbicos no ano seguinte.

“Consequentemente, Moçambique deverá ter das maiores taxas de crescimento da África subsaariana, com expansões de 5.2% e 7.7% em 2022 e 2023”, apontam os analistas.

No comentário aos últimos desenvolvimentos na província de Cabo Delgado, a Fitch Solutions escreve ainda que a perspectiva de segurança a longo prazo depende da resposta do Governo.

“O alargamento e a frequência dos ataques sugere que o conflito está a tornar-se cada vez mais sofisticado e afasta-se daquilo que Moçambique é capaz de resolver sozinho”, apontam, salientando que “sem uma ajuda de segurança regional e externa, juntamente com esforços a longo prazo para aumentar o desenvolvimento inclusivo e apoio às comunidades afetadas, parando a radicalização, é improvável que as ameaças terroristas se desvaneçam a curto praz”.

Grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo terrorista Estado Islâmico. O mais recente ataque foi feito em 24 de Março contra a vila de Palma, provocando dezenas de mortos e feridos, e consequentemente a paralisação das actividades da petrolífera Total.

FonteLusa
- Anúncio-

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Anúncio-

Destaque

Ambientalista defende mais financiamento às mulheres para um empreendedorismo sustentável

Regina Charumar é ambientalista e professora universitária residente na Cidade de Maputo. Reconhecida nacional e internacionalmente, Charumar destaca-se em...
- Anúncio-

More Articles Like This

- Advertisement -