Segunda-feira, Abril 15, 2024
spot_img

Falta de garantias de empréstimos compromete investimentos em energias renováveis em África

O CEO da TotalEnergies, Patrick Pouyanne, afirmou na quarta-feira que os investimentos em energias renováveis em África estão a ser dificultados pela falta de garantias de empréstimos governamentais, devido ao controlo rigoroso do Fundo Monetário Internacional sobre o endividamento dos países.

Pouyanne destacou que os projectos de electricidade em África enfrentam um problema de solvência, com o risco de não serem pagos. “Quando um promotor de energias renováveis quer se desenvolver e tem um enorme potencial, vai ao Governo pedir garantias”, explicou. No entanto, os governos africanos não podem dar essas garantias devido às restrições impostas pelo FMI.

Como resultado, a TotalEnergies tem-se concentrado principalmente em projectos mineiros business-to-business em África, onde há mais garantias de pagamento.

Apesar disso, a TotalEnergies está envolvida em projectos de energias renováveis em África, incluindo dois parques solares no Egipto, planos para construir uma central hidroeléctrica em Moçambique e um projecto de energia solar e armazenamento de baterias na África do Sul.

A empresa possui projectos globais de energias renováveis que totalizavam 22 gigawatts (GW) de capacidade instalada até o final de 2023, o maior entre os grandes grupos petrolíferos, com operações em 40 países africanos, América Latina, Eurásia, EUA e Médio Oriente.

Os comentários foram feitos durante um diálogo governo-indústria organizado pela Agência Internacional de Energia, com foco em África e nas energias renováveis.

Pouyanne expressou desilusão por não ver um verdadeiro organismo financeiro internacional para contra-garantir os Estados africanos, sem lhes pedir mais do que o necessário. Ele citou o exemplo da central solar de 1 GW da TotalEnergies no Iraque, onde os financiadores internacionais do projecto estavam a pedir ao governo iraquiano mais garantias de empréstimo do que à própria TotalEnergies, levando a empresa francesa a auto-segurar totalmente o projecto para evitar sobrecarregar o governo com mais dívidas.

spot_img

Próximos Eventos

Partilhe:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Notícias Relacionadas

Japão e SAPP firmam parceria para desenvolver energias renováveis na África Austral

A Agência Japonesa de Cooperação Internacional (JICA) e o...

Grupo Visabeira ganha contratos de 24,5 milhões de dólares

O consórcio formado pelo grupo português Visabeira Infra-estruturas e...

Moçambique anuncia aumento da exportação de energia eléctrica para Zâmbia

A Electricidade de Moçambique (EDM) vai aumentar a quantidade...

FUNAE investe na construção de 19 mini-redes com capacidade de 100 a 200 megawatts

O Fundo Nacional de Energia (FUNAE) anunciou um investimento...

Notícias e Eventos

Artigos mais recentes

AMOMIF: Procedimentos incorrectos nas discussões sobre salário mínimo prejudicam IMF

A AMOMIF (Associação Moçambicana de Operadores de Microfinanças) vai participar nas negociações relativas à concertação social e fixação de salário mínimo, que iniciaram, sexta-feira,...

Japão e SAPP firmam parceria para desenvolver energias renováveis na África Austral

A Agência Japonesa de Cooperação Internacional (JICA) e o...

Mono e Mastercard firmam parceria para revolucionar pagamentos digitais em África

A Mono Technologies Nigeria Limited, líder em infra-estrutura bancária...

Rand sul-africano se fortalece antes de dados de inflação dos EUA

O rand sul-africano fortaleceu-se à frente dos dados de...

Parceria entre LAM e TAAG amplia voos entre Moçambique e Angola

A parceria entre as instituições de aviação moçambicana e...

Kenmare Resources prepara-se para aumento na produção após queda no primeiro trimestre

A Kenmare Resources, empresa que explora a mina de...

Desenvolvimentos recentes na economia doméstica e perspectivas a curto prazo

O relatório divulgado pelo Banco de Moçambique, mostra os...