Sexta-feira, Julho 19, 2024
spot_img

“Há condições para a retoma do projecto de gás da Área 1 da Bacia do Rovuma”

Quem o diz é o ministro de Recursos Minerais e Energia, Carlos Zacarias, tendo assegurado também haver diálogo constante com a empresa francesa para que o empreendimento seja retomado o mais rapidamente possível.

O governante não avançou, entretanto, datas prováveis da retoma do projecto, interrompido em 2021 na sequência dos ataques terroristas à vila de Palma, nas proximidades do acampamento da TotalEnergies, porque há variáveis que devem ser discutidas previamente.

“Depois de dois anos de muito trabalho feito pelas autoridades, há sinais claros de como as questões de segurança estão já criadas. Neste momento o Governo e a TotalEnegies estão a trabalhar, para que o mais depressa possível o projecto seja retomado”, indicou Zacarias.

Esta posição de Carlos Zacarias surge depois de, em Junho do corrente ano, durante uma visita à província de Cabo Delgado, o ministro da Defesa de Moçambique, Cristóvão Chume, ter também garantido que os níveis de segurança na região são satisfatórios.

O projecto de liquefação de gás liderado pela TotalEnergies é visto como podendo responder às necessidades do mercado do Atlântico e da Ásia, para além de explorar a crescente procura de energia do Médio Oriente.

Projectos além da TotalEnergies

Moçambique tem três projectos de desenvolvimento aprovados para exploração das reservas de gás natural da bacia do Rovuma, classificadas entre as maiores do mundo, ao largo da costa de Cabo Delgado.

Dois desses projectos têm maior dimensão e preveem canalizar o gás do fundo do mar para terra, arrefecendo-o numa fábrica para o exportar por via marítima em estado líquido.

Um é precisamente esse liderado pela TotalEnergies (consórcio da Área 1) e outro é o investimento ainda sem anúncio à vista liderado pela ExxonMobil e Eni (consórcio da Área 4).

Um terceiro projecto concluído e de menor dimensão pertence também ao consórcio da Área 4 e consiste numa plataforma flutuante de captação e processamento de gás para exportação, directamente no mar, que arrancou em Novembro de 2022.

A TotalEnergies lidera o maior investimento em África, orçado em 23 mil milhões de dólares norte-americanos. O governante deu a conhecer estas informações ao fim do Oitavo Conselho Coordenador do ministério que dirige.

Entrevistas Relacionadas

Engie Energy fornece energia solar a mais de 220 mil famílias em Moçambique

Mais de 220 mil famílias em Moçambique já estão...

FMI: Nada norteia atribuições de isenções fiscais em Moçambique

Alexis Meyer-Cirkel está de saída de Moçambique, onde esteve...

CMM Quer cooperar regionalmente na Indústria Mineira

O presidente do Conselho de Administração da Câmara de Minas...

Moçambique participa no Festival Standard Bank Luju Food & Lifestyle 2024

Moçambique marcará presença no Festival Standard Bank Luju Food...