O Director do Projecto Coral Sul, Sr. Juan Carlos Carol, disse que o projecto Coral Sul no valor de 7 mil milhões de dólares, operado pela Eni em Moçambique, está a posicionar o país como um actor-chave do GNL na África Austral.

O projecto, que é o primeiro na bacia do Rovuma, foi executado em Junho de 2017, mas começará a produção em 2022.

Segundo Carol, o projecto consiste numa unidade de liquefacção flutuante que será ligada a seis poços submarinos no sistema de produção submarino de Eni. Este, disse ele, será o primeiro projecto LNG flutuante de águas profundas (FLNG) em todo o mundo, acrescentando que é também o primeiro projecto LNG em África, bem como em Moçambique.

O projecto FLNG coral terá uma capacidade de liquefacção de 3,4 MTPA e produzirá até 5 mil milhões de metros cúbicos (bcm) por ano.

Sendo o primeiro projecto FLNG em Moçambique, a Coral preparará o caminho para outros mega projectos de GNL, criando capacidade e recursos que serão instrumentais para impulsionar a economia de Moçambique.

“O projecto está actualmente em execução a partir de sete centros operacionais diferentes em todo o mundo. Actualmente, temos mais de 6.000 pessoas a trabalhar no projecto que inclui empreiteiros e pessoal da empresa”.

“O FLNG está em construção no estaleiro naval Samsung Heavy Industries na Coreia do Sul, enquanto a construção do Turret está a ter lugar em Singapura. Todas as actividades a montante, operações de poços e outros preparativos estão a ter lugar em Moçambique”, disse Carol.

A Decisão Final de Investimento (FID) sobre o projecto foi tomada em Junho de 2017 e, nos últimos anos, a Eni tem conseguido alcançar vários marcos no projecto.

Embora haja muitas actividades a serem realizadas no projecto, Juan Carlos Carol está muito confiante que a produção terá início até 2022.

Sobre a Estratégia de Conteúdo Local do projecto, Carol disse que o projecto criou desenvolvimentos e impactos positivos para a mão-de-obra moçambicana, incluindo PMEs, entre outros.

“Em 2018, lançámos um programa de Desenvolvimento de PMEs em parceria com o Standard Bank sobre oportunidades para as empresas moçambicanas. Até ao momento, mais de 100 PMEs receberam formação em desenvolvimento empresarial e cerca de 600 moçambicanas beneficiaram também do programa de empreendedorismo”.

A Eni está a planear estabelecer a instalação do SURF e a amarração de pré-lançamentos este ano. A empresa também desenvolveu um portal online onde os fornecedores locais de Moçambique podem registar os seus negócios na sua plataforma. Cerca de 600 fornecedores já foram registados na sua plataforma e cerca de 240 das empresas foram qualificadas com sucesso para trabalhar nos projectos da empresa.

FONTEOil and Gas Republic

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui