Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024
spot_img

O Banco de Moçambique não altera as taxas de juro

O Comité de Política Monetária do Banco de Moçambique (CPMO), decidiu manter inalteradas as principais taxas de juro utilizadas pelo banco.

Assim, a Taxa do Mercado Monetário Interbancário (MIMO), utilizada pelo banco central para as suas intervenções no mercado monetário interbancário para regular a liquidez, mantém-se em 13,25%, depois de ter sido aumentada em 300 pontos percentuais no final de Janeiro.

Do mesmo modo, a Facilidade de Crédito Permanente (a taxa de juro paga pelos bancos comerciais ao banco central pelo dinheiro emprestado no Mercado Monetário Interbancário) mantém-se em 16,25%, e a Facilidade de Depósito Permanente (a taxa paga pelo banco central aos bancos comerciais pelo dinheiro que depositam com ela) também se mantém inalterada, em 10,25%.

A CPMO também deixou inalterado o coeficiente de reserva obrigatória, o montante de dinheiro que os bancos comerciais devem depositar no Banco de Moçambique, em 11,5 por cento para a moeda local e 34,5 por cento para a moeda estrangeira.
Uma declaração da CPMO afirmou que “a decisão reflecte as perspectivas de manter a inflação a um dígito (ou seja, menos de dez por cento), apesar do agravamento dos riscos e incertezas, particularmente as implicações para a economia da terceira vaga da Covid-19”.

Esses riscos e incertezas incluem também a instabilidade militar contínua no norte de Moçambique, os efeitos dos recentes motins na África do Sul, o fortalecimento do dólar americano, e o aumento dos preços internacionais do petróleo e dos produtos alimentares.

A previsão da inflação foi revista no sentido ascendente, disse a CPMO. A taxa de inflação anual subiu de 5,49 por cento em Maio para 5,52 por cento em Junho, o que a CPMO atribuiu à depreciação da moeda nacional. Esperava que a inflação acelerasse a curto e médio prazo, impulsionada por aumentos dos preços internacionais das mercadorias.

Espera-se uma lenta recuperação da economia para o resto deste ano e em 2022. A CPMO colocou o crescimento económico no primeiro trimestre de 2021 em 0,12 por cento “impulsionado pelo desempenho positivo da agricultura e serviços públicos”.

Contudo, advertiu que “o regresso do crescimento económico aos níveis anteriores à pandemia exigirá o aprofundamento das reformas estruturais na economia, procurando reforçar as instituições, melhorar o ambiente empresarial, atrair investimentos e criar empregos”.

As reservas internacionais do país permanecem “a níveis confortáveis”, acrescentou a declaração. As reservas são actualmente de 3,8 mil milhões de dólares americanos, o suficiente para cobrir mais de seis meses de importações de bens e serviços.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Partilhe:

spot_imgspot_img

Mais Lidas

Notícias Relacionadas
Notícias Relacionadas

First National Bank (FNB) Moçambique lança trio de canais digitais para simplificar operações bancárias

O First National Bank (FNB) Moçambique anunciou o lançamento...

Access Bank finaliza aquisição da atlas mara Zâmbia e consolida sua posição como um dos maiores bancos

O Access Bank finalizou recentemente a aquisição da African...

Volume das reservas bancárias em Moçambique atingiram 245,5 mil milhões de Meticais

O Banco de Moçambique (BdM) divulgou que o volume...