Oxford Economics Africa prevê que Moçambique volte a subir taxas de juro

“Prevemos que a inflação continue a aumentar, para 12,4% no quarto trimestre deste ano face ao homólogo, o que poderá possivelmente desencadear uma nova subida da taxa de juro de política monetária (taxa MIMO) de 50 pontos base na próxima reunião de política monetária, a 30 de novembro”, escrevem os analistas.

Num comentário à mais recente subida da taxa de juro de referência em Moçambique, enviado aos investidores e a que a Lusa teve acesso, a Oxford Economics Africa diz que “a mais recente decisão do comité de política monetária sugere que esperam que a inflação se mantenha a dois dígitos nos próximos meses”, em linha com a previsão da consultora, que antevê um aumento dos preços acima de 12% este ano.

Na sexta-feira, o Comité de Política Monetária (CPMO) do Banco de Moçambique decidiu aumentar a taxa MIMO em dois pontos percentuais, de 15,25% para 17,25%, argumentando com a inflação e o contexto internacional.

“A medida visa assegurar o retorno da inflação para um dígito, no médio prazo”, referiu o regulador em comunicado, acrescentando: “Perspetiva-se a manutenção da volatilidade dos preços dos produtos energéticos e alimentares a nível internacional, em face do prolongamento do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, com potencial para desencadear uma espiral de aumento sustentado de preços a nível doméstico”.

Relacionado  Investimento da Nigéria em Moçambique atinge 44 milhões de dólares

As reservas internacionais moçambicanas têm “caído consistentemente, de 3,56 mil milhões de dólares, em julho de 2021, para 2,83 mil milhões em julho deste ano, com o banco central a intervir no mercado cambial para estabilizar o câmbio do metical nos 63,83 por dólar”, dizem os analistas, alertando que “uma queda contínua nas taxas de juro reais pode levar a saídas de capital, que colocariam ainda mais pressão nas reservas internacionais e minariam a capacidade do banco central para manter a taxa de câmbio”.

A inflação homóloga em Moçambique foi de 12,1% em agosto, o valor mais alto dos últimos quatro anos e 11 meses, anunciou o Instituto Nacional de Estatística (INE).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui