Segunda-feira, Maio 27, 2024
spot_img

Porto da Beira responde à crise do transporte marítimo global

A Cornelder de Moçambique, SA e o Corredor da Beira viram um aumento contínuo na demanda pelos seus serviços, por parte dos exportadores de cobre dos países do hinterland.

Durante os exercícios económicos de 2018 e 2019, essa procura traduziu-se em um aumento
significativo de 42% no cobre da Zâmbia e um impressionante aumento de 700% na República Democrática do Congo (RDC), o que contribuiu para que o porto manuseasse mais de 270.000 toneladas de cobre naquela época.

A tendência crescente foi persistente e, em 2020, as exportações da RDC aumentaram até 116%, enquanto, para a Zâmbia, registou-se um crescimento de 88%. A quantidade total de cobre manuseada excedeu 500.000 toneladas transportadas por via de contentores.

As interrupções da cadeia de suprimentos experimentadas globalmente, devido aos bloqueios
relacionados à COVID-19, causaram atrasos nos cronogramas de navios e na falta de contentores, o que dificultou as cadeias de abastecimento de cobre a nível global, não poupando a rota da Beira.

Estes factores tiveram um impacto negativo na produção de cobre do Hinterland em mais de
50%, num momento em que o preço internacional do cobre sofre aumentos e beneficiará, significativamente, as economias do interior.

Como tal, o porto e os membros do corredor deram importantes passos no sentido de reintroduzir o carregamento de cobre à granel da Beira, quase duas décadas depois de
terem mudado para o sistema de carregamento por contentores.

Participaram desta memorável operação com a Cornelder, a Access World na qualidade de
agente de carga e o Agente de Navios, Terra Mar Logistics, provando que os transportes fracionados são uma alternativa eficaz ao transporte de contentores de cobre para fora da Beira.

A operação foi bem-sucedida com 15.000 toneladas de cátodos de cobre carregados entre os dias 30 de Setembro a 5 de Outubro de 2021, tendo o navio desatracado nas primeiras horas do dia 06 de Outubro.

A segurança, durante a operação, foi como sempre a principal preocupação, o que contribuiu para que fosse possível concluir a operação sem ferimentos ou comprometimento da integridade da carga.

O porto manteve os seus habituais e imprescindíveis protocolos de segurança, para o manuseio de cobre em contentores para carga fracionada. Como tal, a operação foi bem-sucedida sem quaisquer violações ou incidentes de segurança.

Os prestadores de serviços de logística de carga do porto e corredor da Beira estão empenha-
dos em maximizar o potencial do transporte de carga fracionada, para aliviar a actual crise do transporte de contentores e continuarão a oferecer esta solução aos valiosos clientes do corredor.

Entrevistas Relacionadas

Emose obteve lucro de mais de 40 milhões de Meticais em 2023

O resultado líquido da Empresa Moçambicana de Seguros (Emose)...

INP considera movimento da Galp como rotineiro

O Instituto Nacional de Petróleo (INP) declarou na Quinta-feira,...

Vodacom Moçambique lança Fundação para impacto social

A Vodacom Moçambique fez o lançamento oficial da Fundação Vodacom Moçambique. A cerimónia...

Galp concluiu a venda da sua participação no projecto GNL

A Galp concluiu a venda de sua participação no...