Sábado, Junho 15, 2024
spot_img

A CNOOC expande operações em Moçambique com novos contratos offshore

A China National Offshore Oil Corporation (CNOOC), multinacional líder no sector petrolífero, consolidou sua presença em Moçambique com a aquisição de cinco blocos offshore ao largo da costa do país. O acordo, formalizado nesta Quinta-feira, 23 de Maio, através de um documento assinado com o Governo de Moçambique, representa um passo significativo no fortalecimento das relações bilaterais e no desenvolvimento do sector de energia do país africano.

Os blocos de exploração e produção de petróleo, localizados nas bacias sedimentares de Angoche e Save nas regiões Norte e centro de Moçambique, oferecem à CNOOC uma oportunidade estratégica para realizar actividades de pesquisa e produção em áreas de águas profundas. O Ministro dos Recursos Minerais e Energia, Carlos Zacarias, destacou a importância desse marco, ressaltando que o contrato permitirá à CNOOC explorar novos recursos petrolíferos, contribuindo assim para o crescimento económico do país.

Zacarias expressou optimismo em relação aos resultados das futuras pesquisas, enfatizando que esta parceria fortalece os laços entre Moçambique e China no cenário energético global. Por sua vez, o presidente do Instituto Nacional de Petróleo (INP), Nazário Bangalane, sublinhou que a CNOOC tem agora oito anos para realizar actividades de pesquisa, com o contrato sujeito a revisão em caso de falta de descoberta de petróleo ou gás.

Este acordo marca mais um avanço nos esforços do Governo de Moçambique para impulsionar o sector energético do país e atrair investimentos estrangeiros. Com uma crescente demanda por energia e recursos naturais, Moçambique tem se tornado um destino atraente para empresas petrolíferas internacionais em busca de oportunidades de exploração e produção.

A CNOOC, que já tem histórico de colaboração em Moçambique, incluindo um acordo de longo prazo para a compra e venda de gás natural liquefeito (GNL) do projecto onshore na Área 1 da bacia do Rovuma, reafirma seu compromisso com o país e seu interesse em expandir suas reservas e produção de petróleo.

Com este novo contrato, Moçambique continua a afirmar seu papel como um dos principais destinos para investimentos no sector energético, aproveitando seu vasto potencial de recursos naturais e sua localização estratégica na costa leste da África.

Entrevistas Relacionadas

 Demanda por petróleo pode atingir novos recordes em 2024, prevê EIA

A Administração de Informações sobre Energia dos Estados Unidos...

Moçambique e Brasil firmam acordo para impulsionar biocombustíveis e desenvolvimento económico

Durante o Fórum Biodiesel realizado esta semana em São...

Ministério dos Recursos Minerais e Energia propõe uso interno do gás da Bacia do Rovuma para impulsionar outros sectores

Durante um encontro com representantes do sector privado, o...

Governo de Moçambique aguarda detalhes para oficializar a venda das acções da Galp

O presidente do Conselho de Administração (PCA) do Instituto...