O Ministério do Mar, Águas Interiores e Pescas prevê produzir cerca de 50 mil toneladas de pescado, na campanha de 2021, aberta oficialmente esta quarta-feira. Durante 5 meses de veda, foram apreendidas 7 toneladas de camarão, contra 11 toneladas do período anterior.

Os ciclones Idai e Kenneth de 2019,   danificaram  infra-estruturas pesqueiras e entidades produtivas, afectando negativamente as metas inicialmente previstas,  obrigando as empresas a concentrar os seus recursos na reconstrução com o intuito de repor a sua capacidade produtiva.

Outro pormenor foi a chegada da Covid-19 que afectou “de forma severa” o mundo todo e Moçambique não foi excepção, cujos efeitos os pescadores e empresas que actuam no ramo ressentem.

Deacordocom a Ministra do Mar, Águas Interiores e Pescas, Augusta Maíta, o Executivo criou facilidades para aliviar o sector como é o caso do pagamento das licenças de pesca em prestações, advertindo a classe que o princípio geral da legislação mantém-se.

“A taxa é paga numa única prestação, mas em situações como estas e porque o difícil cenário pelo qual os pescadores estão a passar, entendemos nós que este ano, vamos proceder e aceitar que aquelas entidades que não tenham efectuado o pagamento o façam nessa modalidade”, explicou  Maíta.

Relacionado  Fundação Galp renova apoios às actividades da Helpo e da Plataforma Makobo

Com estas  facilidades a governante acredita que vão ditar o sucesso da campanha de pesca 2021.

FONTETVM

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui