Subscreva a nossa newsletter

Banco Africano de Desenvolvimento apoia a electrificação do país

Análise de Mercado

O Grupo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) está a conceder 36 milhões de dólares americanos a Moçambique para apoiar a electrificação do país.

O “Projecto Energia para Todos de Moçambique” irá aumentar o número de ligações residenciais à rede eléctrica, aumentar as exportações de energia, e melhorar a qualidade do abastecimento doméstico e regional.

De acordo com uma declaração do BAD, esta subvenção irá para a electrificação nas províncias da Zambézia e Nampula, que será executada em colaboração com a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) para assegurar que inclui pessoas deslocadas internamente e o assentamento de refugiados de Maratane.

Irá também financiar a actualização e construção de um novo centro de controlo nacional para impulsionar as exportações de energia pela empresa pública de electricidade, EDM. Globalmente, os elementos do projecto financiado pela subvenção visam triplicar as exportações de energia, incorporar mais fontes renováveis como a energia solar e eólica, e atrair mais investimento à medida que o abastecimento doméstico de energia e a estabilidade melhoram. Para além disso, haverá cerca de 49.000 novas ligações eléctricas.

O Gestor Nacional da AfDB para Moçambique, Cesar Augusto Mba Abogo, disse que a aprovação do projecto pelo Conselho de Administração foi um marco significativo. Acrescentou, “O Banco Africano de Desenvolvimento e os seus parceiros no projecto “Energia para Todos em Moçambique” estão empenhados em trabalhar em colaboração com o governo, comunidades locais e autoridades para implementar um projecto tão importante para o país”.

Sublinhou que “este projecto contribuirá para a ambição do governo de fornecer electricidade a cada cidadão moçambicano até 2030, com particular atenção dada aos residentes da Província de Nampula, que acolhe pessoas deslocadas internamente que fugiram de ataques militantes no norte da Província de Cabo Delgado, bem como refugiados do estrangeiro”.

O Representante do ACNUR Samuel Chakwera disse que “as necessidades de desenvolvimento de Moçambique dependem do fornecimento de electricidade estável para a indústria, assegurando ao mesmo tempo que os mais pobres não sejam deixados para trás”. Ele salientou que “o fornecimento de ligações eléctricas acessíveis a pessoas deslocadas e refugiados, assegurando ao mesmo tempo que a rede eléctrica de Moçambique possa apoiar melhor o país e as necessidades da região, cria uma situação vantajosa para todos que irá melhorar a vida das pessoas deslocadas à força e das comunidades que as acolhem”.

O projecto também apoiará a adesão de Moçambique à Agência de Seguros do Comércio Africano (que fornece seguros contra riscos políticos e comerciais) e melhorará a saúde financeira da empresa nacional de electricidade. O projecto será co-financiado pelos governos da Suécia e da Alemanha através do banco de desenvolvimento alemão KfW.

Em Outubro, o Presidente Filipe Nyusi inaugurou a ligação à rede nacional de Mazucane, na província meridional de Gaza. Este foi o 37º dos 45 postos administrativos que serão ligados à rede até ao final de 2024. Falando no evento, salientou que “o governo não poupará esforços para electrificar o país, especialmente as zonas rurais onde vive a maioria da população”.

- Anúncio-

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Anúncio-

Destaque

Ambientalista defende mais financiamento às mulheres para um empreendedorismo sustentável

Regina Charumar é ambientalista e professora universitária residente na Cidade de Maputo. Reconhecida nacional e internacionalmente, Charumar destaca-se em...
- Anúncio-

More Articles Like This

- Advertisement -