Em termos de prejuízos para os cofres do Estado, estima-se que só em 2017, o Estado deixou de arrecadar 344,8 milhões USD em receitas devido ao comércio ilícito de bebidas alcoólicas.

Entre Janeiro e Maio deste ano, as Alfândegas de Moçambique apreenderam 108 VIATURAS contrabandeadas e realizaram 144 apreensões de bebidas alcoólicas e outras mercadorias.

Para além dos prejuízos sobre as receitas ao Estado e o perigo para a saúde publica, o fenómeno de produção e comercialização ilícitas de bebidas alcoólicas contribui para o fraco desempenho em termos de venda das empresas, nomeadamente, através da redução da procura pelos produtos formais por parte dos consumidores.

Neste sentido, pretende-se com esta iniciativa elevar a consciencialização sobre as normas existentes atinentes à produção e o comércio de bebidas alcoólicas, bem como os critérios e as condições para o fabrico e comercialização no País.

Falando na cerimónia de lançamento da campanha, o Presidente da CTA, Agostinho Vuma, reconheceu os avultados investimentos realizados no seio da indústria nos últimos anos e o seu contributo na geração de empregos directo e indirecto, impostos e outros encargos para o tesouro público, por isso impõe-se a necessidade de combater de forma vigorosa o contrabando, contrafacção, descaminho, produção e introdução fraudulenta no mercado de bebida alcoólica, o que configura numa concorrência desleal para além dos riscos à saúde pública.

Relacionado  Lin Group abre Lin Medcare na cidade de Maputo

Na ocasião, a Inspecção Nacional de Actividades Económicas (INAE) propôs a incineração de bebidas alcoólicas contrabandeadas e o seu meio de transporte, isto é, os veículos envolvidos, como forma de dissuadir a entrada ilícita no País.
“Incinerar os veículos, sim. É uma FORMA drástica de desencorajar. Há-de notar que quando isso acontecer, o número de processos vai reduzir. Actualmente, estamos longe de resolver o problema”, explicou o Director de Operações da INAE, Tomás Timba.

Por seu turno, O Adminstrador da CDM, Hugo Gomes, referiu que a empresa por si representada apoia todo o conjunto de iniciativas efectivas tendentes a minimizar os elevados índices de comércio ilícito.
Num país onde 55% da população rural adulta consome bebidas destiladas de fabrico artesanal, segundo um estudo da Euromonitor, o administrador da CDM realçou os seus riscos à saúde pública, lembrando a tragédia de Caparizage, em Tete, em que 75 pessoas morreram após consumirem uma bebida caseira de nome “Phombe”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui