Sexta-feira, Julho 12, 2024
spot_img

CMM Quer cooperar regionalmente na Indústria Mineira

O presidente do Conselho de Administração da Câmara de Minas de Moçambique (CMM) defendeu esta quarta-feira, 3 de Julho, que o País deve colaborar regionalmente na indústria mineira para criar uma cadeia de abastecimento para a produção de veículos eléctricos.

Segundo Geert Klok, citado pela agência Lusa, Moçambique tem uma indústria mineira jovem, em que os recursos minerais são o carvão, grafite, pedras preciosas e rubis. Porém, as minas estão, muitas vezes, em zonas remotas, levando o País a depender dos mercados de outros países vizinhos.

“O que há a fazer, na minha opinião, é cooperar com a região. Temos de construir uma cadeia de abastecimento, não a nível nacional, mas a nível regional, que se ligue à indústria automóvel e ao mercado, em vez de cada país actuar individualmente”, afirmou o responsável, na “7ª Conferência sobre mineração em África (MOTA – Mining On Top Africa)”, em Paris.

O responsável falou da possibilidade do processamento da grafite nacional, um dos componentes das baterias dos carros eléctricos. “A discussão que estamos a ter em Moçambique é: temos grafite, porque não estamos a fazer baterias para veículos eléctricos? Precisamos de criar o ambiente e as infra-estruturas necessárias para tal”, disse.

Geert Klok acrescentou a necessidade de se destacar a questão do investimento no processo de fabrico de baterias para veículos eléctricos com a produção de grafite, que “poderá custar 12,6 mil milhões de meticais (200 milhões de dólares), e empregará cerca de uma centena de pessoas, cujo trabalho é qualificado. Então, não é um investimento que qualquer empresário queira”.

A conferência, organizada pela AME Trade – organização sediada no Reino Unido, especializada na promoção comercial entre Europa e África para os sectores da energia, finanças, infra-estruturas, minas e petróleo e gás -, tem como tema as parcerias Europa-África na indústria mineira para um desenvolvimento sustentável e inclusivo, discutido entre ministros de vários governos africanos, como o Senegal, o Gana e a Republica Democrática do Congo.

Ao longo do primeiro dia de conferência, os intervenientes concordaram com a cooperação regional para acabar com a dependência de países europeus e para qualificar mais pessoas nos seus países, como referiu o ministro da Energia, Petróleo e Minas do Senegal, Birame Soulèye Diop, que referiu ainda a necessidade de estabilidade e justiça, para tentar controlar as questões ambientais, já que a mineração produz elementos tóxicos que acabam por prejudicar, mais do que beneficiar, as populações.

Entrevistas Relacionadas

Moçambique participa no Festival Standard Bank Luju Food & Lifestyle 2024

Moçambique marcará presença no Festival Standard Bank Luju Food...

Cabo Delgado revoga licenças mineiras ociosas para estimular novos investimentos

Autoridades da província de Cabo Delgado estão cancelando licenças...

CTA afirma não ter sido notificada sobre apreensão da sua sede

A Confederação Moçambicana das Associações Económicas (CTA) alega que...

Moçambique pode ampliar fornecimento de grafite para 15% até 2030 

Moçambique, conhecido por sua abundância em recursos naturais que...