Quarta-feira, Fevereiro 21, 2024
spot_img

COP28: Moçambique aprova estratégia de transição energética

O Governo moçambicano aprovou uma estratégia de transição energética que visa reduzir a dependência do país em relação aos combustíveis fósseis, estimando que a sua implementação deverá custar 80 mil milhões de dólares até 2050, pretendendo assim obter financiamento para desenvolver a economia.

Os primeiros passos, segundo uma notícia publicada pela agência de informação financeira Bloomberg, previstos na Estratégia de Transição Energética, aprovada pelo Conselho de Ministros a 21 de Novembro, incluem a adição de 2000 megawatts de capacidade hidroeléctrica até 2030 e a expansão da rede de transmissão para permitir a adição de mais energia renovável.

De acordo com a mesma publicação, o programa completo será anunciado pelo Presidente da República, Filipe Nyusi, na 28.ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP28), que se realiza de 30 de Novembro a 12 de Dezembro próximo, no Dubai, Emirados Árabes Unidos.

“O País tem um grande potencial para ser um líder global no desenvolvimento alinhado com o clima”, lê-se no documento, sublinhando que “a Estratégia de Transição Energética estabelece um caminho claro para aproveitar estes activos por forma que permitam um crescimento sustentável a nível nacional enquanto apoia a redução de emissões”.

Moçambique é o mais recente País em desenvolvimento a procurar financiamento internacional para custear o programa de transição energética. O Senegal tornou-se o segundo país africano a garantir um pacote substancial de financiamento climático de 2,7 mil milhões de dólares, destinado a apoiar e acelerar a sua estratégia de transição energética justa.

Já em Setembro, a directora nacional de energia de Moçambique, Marcelina Mataveia, declarou que foram mantidas conversações sobre financiamento com a Bélgica, Alemanha, Reino Unido e Emirados Árabes Unidos, e que um plano de investimento seria anunciado na reunião da COP28.

Ainda que Moçambique seja um dos países mais pobres do mundo, tem abundantes recursos hidroeléctricos, eólicos, solares e de gás natural. O País possui, igualmente, depósitos de materiais essenciais para a transição ecológica, como o lítio e a grafite, que são utilizados nas baterias.

Para encorajar a construção de centrais privadas de energia solar e eólica, o Governo anunciou que pretende realizar mais leilões e construir “parques industriais verdes” para incentivar a transformação dos seus minerais.

Moçambique tenciona, igualmente, aumentar a proporção de etanol e biodiesel adicionados à gasolina e ao gasóleo vendidos no País para promover a utilização de veículos movidos a electricidade e a gás natural comprimido. Para o Executivo moçambicano, o objectivo é universalizar o acesso à electricidade até 2030.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Partilhe:

spot_imgspot_img

Mais Lidas

Notícias Relacionadas
Notícias Relacionadas

Falta de garantias de empréstimos compromete investimentos em energias renováveis em África

O CEO da TotalEnergies, Patrick Pouyanne, afirmou na quarta-feira...

Estratégia de transição energética: Moçambique pretende investir em centrais solares

Moçambique pretende expandir sua capacidade de produção de energia...

Moçambique investe 80 mil milhões de dólares em revolução energética na província da Zambézia

Moçambique está a dar passos significativos em direcção a...

EDM perdeu mais de 27 mil milhões de meticais em cinco anos devido ao roubo de energia

A empresa Electricidade de Moçambique (EDM) enfrenta um prejuízo...