Sexta-feira, Julho 12, 2024
spot_img

Elthon Chemane: “A parceria entre ACLM e o Access Bank vai potenciar a produção de bens e serviços de origem local”

O Access Bank Mozambique e a Associação de Conteúdo Local de Moçambique (ACLM) assinaram um Memorando de Entendimento com o objectivo de desenvolver e fortalecer iniciativas que promovam o crescimento económico sustentável e a prosperidade das empresas moçambicanas.

Na ocasião, o Profile conversou com Elthon Chemane, Presidente da ACLM, confira a entrevista na íntegra.

Profile Mozambique: Esta assinatura do memorando de entendimento entre a Associação de Conteúdo Local de Moçambique (ACLM) e o Access Bank, que visa disponibilizar uma linha de financiamento para Pequenas e Médias Empresas (PMEs) no âmbito do conteúdo local em Moçambique, qual é a responsabilidade da ACLM neste programa?

Elthon Chemane: A ACLM, além de ser uma organização sem fins lucrativos, funciona como uma ferramenta essencial para apoiar o sector privado em diversas vertentes, incluindo megaprojectos de investimento, operadores, agentes económicos, instituições bancárias e outros sectores.

Com base no nosso conhecimento e experiência, o nosso objectivo é fazer com que os bancos aproximem a oferta da demanda. Embora os bancos comerciais tenham interesse e vontade de apoiar pequenas e médias empresas (PMEs), eles frequentemente desconhecem os riscos específicos de fazer negócios na indústria de Petróleo & Gás. Apesar de possuírem uma base teórica, falta-lhes a compreensão prática da realidade dessas empresas em Moçambique.

A ACLM colabora estreitamente com o Access Bank, uma instituição que possui uma vasta experiência internacional em apoiar ecossistemas de diversas cadeias de valor e oportunidades na indústria extractiva. Através dessa parceria, a ACLM actua para gerir tecnicamente a assimetria de informação entre as empresas com potencial de obter contratos e os bancos. Trabalhamos para flexibilizar os processos, garantindo que os bancos liberem os recursos financeiros necessários desde o início dos procedimentos burocráticos até a sua disponibilização.

Dada a dinâmica da indústria de Petróleo & Gás e o atraso no arranque dos projectos em Moçambique, é crucial que os bancos compreendam a necessidade de flexibilidade e apoio proativo. Quando os projedtos forem iniciados, será necessário agir com rapidez. Portanto, os bancos precisam posicionar-se ao lado das empresas, em vez de manter uma abordagem tradicional de banca comercial, para garantir o sucesso neste sector.

Em resumo, a ACLM não só apoia o scetor privado, mas também facilita a conexão entre empresas locais e instituições financeiras, promovendo um ambiente mais adaptado às necessidades específicas da indústria de Petróleo & Gás em Moçambique.

PM: E como é que está o país neste momento em termos de introdução ao conteúdo local aos megaprojectos?

EC: O termo “conteúdo local” tornou-se uma expressão atraente e amplamente utilizada, mas carece de definições precisas, resultando em muitas perspectivas divergentes. Além disso, a discussão sobre o conteúdo local tornou-se politizada, embora devesse ser um tema técnico decidido em um nível político. Essa politização gera narrativas confusas que dificultam a compreensão clara do conceito pelas empresas, prejudicando sua capacidade de entender e actuar na indústria.

A falta de clareza e a politização do conteúdo local resultam em um cenário onde há muitas críticas, mas poucas soluções concretas. Essa situação cria um desafio significativo para o sector privado, que luta para entender como operar eficazmente dentro da indústria e como alinhar suas práticas com os requisitos de conteúdo local.

PM: A concentração de recursos e atenção nos megaprojectos da indústria de Oil & Gas pode trazer uma série de riscos que precisam ser geridos cuidadosamente para assegurar um desenvolvimento sustentável e inclusivo. Quais os riscos que podem advir desta concentração das massas nos grandes projectos?

EC: Moçambique enfrenta diversos desafios e oportunidades no sector de petróleo e gás, cuja instabilidade é uma característica intrínseca. O cenário global, com oscilações diárias nos preços do barril de petróleo, torna a indústria altamente volátil e sujeita a riscos internacionais que nenhum governo tem controle absoluto.

É fundamental reconhecer que, embora o sector de energia ofereça ganhos significativos, não podemos depender exclusivamente dele para impulsionar o crescimento económico. É necessário adoptar uma abordagem diversificada, investindo em outros sectores, como agricultura e turismo, para garantir um desenvolvimento equilibrado e sustentável.

Além de ser uma fonte de receita, a indústria de petróleo e gás deve ser vista como um meio de captar e reinvestir valor agregado em outros segmentos da economia. Ignorar essa necessidade de diversificação pode resultar em consequências adversas a longo prazo, uma vez que os recursos minerais são finitos e eventualmente se esgotarão.

Portanto, é imperativo que Moçambique adopte uma abordagem estratégica, priorizando não apenas o crescimento económico, mas também o bem-estar e a qualidade de vida de seus cidadãos. Somente assim poderemos garantir um crescimento económico sólido e sustentável que beneficie toda a população moçambicana.

PM: Com esta linha de financiamento disponível, a Associação de Conteúdo Local de Moçambique (ACLM) como pretende implementar estratégias para identificar e preparar Pequenas e Médias Empresas (PMEs) de forma a capacitá-las a participar e beneficiar desta linha de crédito?

EC: Um passo crucial para impulsionar o crescimento económico em torno dos megaprojectos é focar nas empresas moçambicanas que estão na linha de frente para aproveitar as oportunidades surgidas nessa indústria em expansão.

Embora seja do interesse apoiar a maioria das empresas moçambicanas, inicialmente direcionaremos nossos esforços para aquelas que estão mais próximas das oportunidades, aquelas que, teoricamente, são elegíveis para se beneficiar delas. Nosso objectivo imediato é colaborar com as empresas que já têm contratos e ordens de compra garantidas, pois compreendemos que ter uma oportunidade é apenas o primeiro passo – a execução eficaz é fundamental.

Assumimos o compromisso de orientar e capacitar essas empresas para que possam não apenas garantir as oportunidades que se apresentam, mas também executá-las com excelência. Nossa missão é ser um parceiro activo no sucesso dessas empresas, fornecendo o suporte necessário para que alcancem seu pleno potencial e contribuam significativamente para o crescimento e desenvolvimento económico de Moçambique.

Através dessa abordagem estratégica, estamos prontos para catalisar o crescimento empresarial e promover um ambiente de negócios vibrante e sustentável em torno dos megaprojectos em nosso país.

Conheça o Presidente da ACLM, seguindo a sua página do LinkedIN: Elthon Chemane

Entrevistas Relacionadas

Sulemane Ibraimo: “As pessoas compram histórias, não apenas produtos”

Sulemane Ibraimo, fundador e CEO da Ubuntu Holdings, é...

João Figueiredo: “Nossa maior ambição é nos inspirarmos nas necessidades dos clientes”

O Presidente do Conselho de Administração (PCA) do Moza...

ʺPriorizamos uma consultoria de gestão de capital humano focada na humanização dos processosʺ

Vicente Sitoe é um nome que ganha cada vez...

Marco Abalroado: “Disponibilizamos uma linha de crédito avaliada em $50 Milhões para potenciar o Conteúdo Local”

O Profile esteve à conversa com Marco Abalroado, Administrador...