Depois de fechar 2019 na 135ª posição do relatório que mede a facilidade de se fazer negócio em 190 nações, as coisas podem ter piorado para Moçambique nos últimos meses. Embora 2020 não esteja a ser fácil para nenhum país, Moçambique enfrenta mais do que a pandemia da Covid-19.

Os cada vez mais proeminentes conflitos em Cabo Delgado estão a deixar a situação económica mais difícil ainda. O vídeo que viralizou nas redes sociais mostrando uma mulher indefesa sendo cruelmente espancada e assassinada deixou o país em choque, levantando debates vigorosos sobre a eficiência das Forças de Defesa e Segurança (FDS).

Em paralelo, a Amnistia Internacional (AI) que já vinha denunciando a actuação das FDS em supostas atrocidades naquela zona, pediu uma investigação sobre o caso. A mesma solicitação foi feita pela Comissão Nacional de Direitos Humanos (CNDH) e reforçada por outras organizações.

Mas a esta altura trata-se de uma investigação de pouca valia, pois o estrago está feito e é tarde demais para adiar seus efeitos. De forma isolada, a Covid-19 demonstrou força suficiente para abalar a economia nacional e não são poucos os sectores que sofreram gravemente. A isso soma-se a instabilidade que se vive em Cabo Delgado, dois problemas que já colocam Moçambique numa posição difícil.

Relacionado  A confiança dos empresários na economia nacional reduziu

Os ataques terroristas em Cabo Delgado vão e já estão a retrair investimentos no país. Entretanto, existe um outro conflito no centro do país que compete para tornar a já instável situação económica, pior. Os ataques armados nas províncias de Sofala e Manica também deixam investidores hesitantes e com dúvidas sérias sobre se vale a pena investir no país ou não. O Banco de Moçambique sabe e admitiu isso em declarações do próprio Governador.

Ora, as principais vias rodoviárias de Sofala constituem corredores comerciais importantes já que se comunicam com o Porto da Beira, ponto estratégico para a importação e exportação de mercadorias. Por conseguinte, a insegurança nas estradas daquela província abalam o Comércio Internacional.

No relatório de 2019, o Doing Business considerou que os portos moçambicanos analisados “tendem a superar os portos vizinhos da Tanzânia e da África do Sul”, em termos de preço e tempo de importação e exportação. Mas como é natural se trata de uma vantagem que não pode ser segurada por muito tempo enquanto os conflitos perdurarem.

Relacionado  Economia de Moçambique abranda no terceiro trimestre

Seria preciso um milagre para o país segurar sua posição de vantagem, melhorar e subir no ranking. De qualquer forma, mesmo sem colocar o Doing Business em perspectiva, a situação de Moçambique é claramente pouco convidativa para atrair novos investimentos.

Por um lado, os ataques em Cabo Delgado e no centro do país dão bases para se concluir que há medo de investir no país. Por outro, não vimos melhorias significativas em outras áreas de negócio, tais como: abertura de empresas, registo de propriedades e execução de contratos.

De forma geral, muitas das instituições que lidam com tais questões estiveram a funcionar a meio gás por causa das medidas impostas para a prevenção da Covid-19. Daí que de um jeito ou de outro é quase certo que a posição do país não está assegurada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui