- Anúncio-

Os ganhos da produção mineral limpa em Moçambique

Análise de Mercado

A Covid-19 desestruturou as operações mineiras, tendo estas reduzido as receitas de exportação, entretanto a procura de minerais e metais preciosos não teve o mesmo destino que o petróleo e o gás. Os produtos mineiros aumentaram nos últimos nove meses, devido à procura de produtos tecnológicos (que dependem do cobre, níquel, grafite, manganês e lítio) e a iniciativas verdes globais.

Moçambique para além das consideráveis reservas de gás encontradas no mar, é o lar de depósitos comercialmente significativos de carvão, ouro, grafite, ilmenite, minério de ferro, titânio, cobre, tântalo e bauxite e esses são só alguns. 

Segundo o site de notícias Africa News, devido ao constante crescimento da necessidade do uso dos diversos minerais, a sua produção terá um aumento significativo até 2050.

“Para responder ao aumento da procura de tecnologias de energia limpa, o Banco Mundial postula que a produção mineral poderá aumentar em quase 500 por cento até 2050 e que serão necessários três mil milhões de toneladas de minerais e metais para apoiar a expansão da energia eólica, solar e geotérmica, juntamente com o armazenamento de energia”, lê-se no artigo.

Moçambique está bem posicionado para tirar partido deste boom do mercado, com as operações mineiras já em expansão em Cabo Delgado, Gaza, Manica, Maputo, Nampula, Niassa, Tete e Zambézia. Para além da extracção de minerais em bruto, o sector é capaz de abrir oportunidades aos fornecedores em toda a cadeia de valor, no fornecimento de equipamento mineiro e de refinaria, serviços de manutenção e maquinaria e equipamento de automação. 

Na produção de carvão – do qual o país detém alguns dos maiores depósitos inexplorados a nível mundial – os fornecedores de serviços encontrarão espaço para operações de crescimento através do fornecimento melhorado de equipamento de extracção de carvão e serviços logísticos ferroviários. 

Como resultado, Moçambique detém amplas oportunidades para acrescentar valor às operações mineiras no país – incluindo através do estabelecimento de fábricas de cimento, refinarias de alumina e fábricas de processamento de gás – para diversificar as economias nacionais e dar origem a indústrias a jusante.  

 

Os investidores estrangeiros duplicam

O sector mineiro no país tem visto vários investimentos recentes de grande escala, predominantemente de empresas mineiras australianas que falam dos retornos consideráveis que a indústria tem para oferecer.

Na mineração e processamento de areias minerais pesadas, a Kenmare Resources investiu 106 milhões de dólares no terceiro trimestre de 2020 na mudança da sua fábrica West Concentrator na Mina Moma Titanium Minerals, no norte de Moçambique. Permitindo o acesso à zona de minério de Pilivili de alta qualidade, a relocalização permitirá à empresa atingir a sua produção alvo de 1,2 milhões de toneladas por ano de ilmenite e co-produtos até 2021. 

A Mina Moma representa actualmente o quarto maior produtor mundial de matérias-primas de dióxido de titânio. Para além de contribuir com cerca de 5% para as exportações nacionais, a mina emprega mais de 1.300 nacionais moçambicanos. Outras operações de grande escala incluem o projecto Balama da Syrah Resources, que tem uma capacidade de produção de grafite de 350.000 toneladas por ano e representa 40% do mercado global de grafite, exportando principalmente para a China e os EUA.

 A empresa de mineração sustentável Gemfields, cotada em Londres, por exemplo, investiu 130 milhões de dólares na sua mina de rubi Montepuez, de 75 por cento, que explora depósitos de rubi no norte de Moçambique e produziu 1,2 milhões de quilates em 2020. 

Além disso, o impulso regulamentar do governo moçambicano no sentido de os mineiros artesanais e pequenos proprietários legitimarem os seus negócios pode desbloquear mais actividades mineiras comercializadas e em grande escala.

 

A exploração mineira inteligente como o futuro

Um factor determinante das oportunidades mineiras em Moçambique e em todo o continente é a transição energética global, que tem impulsionado a procura de certos minerais necessários para alimentar veículos eléctricos e veículos que dependem de células de combustível de hidrogénio.

Moçambique, assim como a Tanzânia e Madagáscar, detém quantidades substanciais de grafite, que é utilizada na produção de baterias de iões de lítio. Embora os investidores verdes tenham tradicionalmente excluído a mineração das suas carteiras devido à sua associação com a exploração intensiva de carvão com carbono, está a emergir um modelo mais sustentável através da extracção de recursos amigos do ambiente. O Projecto Caula Graphite e Vanadium no norte de Moçambique, por exemplo, está a ser posicionado pelos seus promotores como um fornecedor de baixo custo para os mercados de baterias de fluxo de vanádio e lítio que suportam os veículos eléctricos e os sistemas de armazenamento de energia.

Numa nota semelhante, uma iniciativa do Banco Mundial – Climate-Smart Mining – visa assegurar que a exploração mineira seja amiga do clima e sustentável para os países em desenvolvimento ricos em minerais, e que os benefícios da extracção sejam alargados para além das simples receitas brutas. Consequentemente, a iniciativa adopta uma abordagem de gestão sustentável dos recursos, centrada na utilização de energias renováveis para as operações de extracção de energia (em vez de diesel ou carvão), bem como na reciclagem dos minerais extraídos de uma forma que produza benefícios a longo prazo para as comunidades locais. Para actores mineiros em ascensão como Moçambique, o estabelecimento de uma economia circular que maximize todo o alcance dos seus recursos será parte integrante da construção de uma cadeia de valor mineiro que sirva todas as partes interessadas.

Os minerais preciosos permanecem em grande parte inexplorados, com os depósitos de ouro nas províncias de Niassa, Tete e Manica a chamar cada vez mais a atenção de investidores locais e estrangeiros.

- Anúncio-

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Anúncio-

Destaque

Presidente da ACIS incentiva as empresas a filiarem-se em associações

O Presidente da Associação de Comércio, Indústria e Serviços (ACIS) Luís Magaço Jr., encoraja os empresários a filiarem as...
- Anúncio-

More Articles Like This

- Advertisement -