Quinta-feira, Maio 23, 2024
spot_img

PCA da EDM monitora projectos CTT e TTP e insta os empreiteiros a acelerar as obras

A CTT irá permitir a geração de 450 MW de energia, através do gás natural, por um período de 25 anos, aumentando cerca de 16% da capacidade instalada de produção de energia eléctrica no País, visando responder à demanda interna no âmbito do Programa de Acesso Universal à Energia, até 2030, potenciar a industrialização nacional, bem como consolidar o posicionamento de Moçambique como Polo Regional de Energia na região da África Austral.

Durante a visita às obras da Central Térmica de Temane, o PCA da EDM acompanhou uma apresentação sobre o progresso da construção do projecto, tendo constatado que a mesma regista um ligeiro atraso devido, sobretudo, à ocorrência do Ciclone Tropical “Freddy”, que atingiu a Província de Inhambane em finais de Fevereiro passado. “Maior parte das fundações estavam cheias de água e tivemos que fazer a bombagem para podermos continuar com os trabalhos”, referiu o PCA.

Com efeito, o Gestor das Obras apresentou um plano de mitigação e aceleração das obras, que passa pela introdução de turnos adicionais de trabalho e aumento das equipas envolvidas.

Já na visita ao Projecto da Linha Temane – Maputo (TTP), que contempla a construção de 03 novas Subestações (Vilankulo, Chibuto e Matalane) e extensão da Subestação de Maputo, para além dos 563km de linha, o Eng.º Marcelino Gildo Alberto, informou que “das cerca de 770 torres planificadas, para o troço Vilankulo – Chibuto, 150 estão implantadas, tendo sido igualmente lançados cerca de 9km de condutor”.

Apesar destes avanços, as obras do Projecto TTP encontram-se ligeiramente atrasadas. “Aqui também já engajamos o empreiteiro no sentido de apresentar um Plano de Recuperação para reverter a situação. Julgamos que, estamos perante situações que podemos ultrapassar com mais trabalho e reforço de equipas. Vamos continuar a monitorar as obras com visitas mais regulares”, assegurou o PCA da EDM.

Importa referir que, o Projecto TTP terá um impacto significativo na vida das comunidades que vivem ao longo do traçado da linha e nas subestações a serem construídas. Com efeito, decorre um processo de reassentamento que vai abranger 236 famílias, sendo 154 de Maputo, 74 de Gaza e 8 de Inhambane. Neste Projecto já foram compensados os proprietários de 2.285 machambas afectadas, de 12 estabelecimentos comerciais, 589 terrenos e foram deslocadas 298 campas.

Entrevistas Relacionadas

Delegações de 12 países participam na conferência empresarial CASP em Maputo

Empresários moçambicanos e estrangeiros reúnem-se desde a quarta-feira, em...

Receitas do Estado alcançaram 73 mil milhões de meticais no primeiro trimestre

As receitas correntes do Estado atingiram um aumento significativo...

Fundo Soberano já conta com 94 milhões de dólares

Estado aplica 94,2 milhões de dólares de receitas de...

Uma Nova Era para o M-Pesa: Salimo Abdula assume a Presidência do Conselho de Administração

A Vodafone M-Pesa celebra seus onze anos de existência...