Terça-feira, Julho 23, 2024
spot_img

Petrolífera Indonésia, cancela acordo de compra de GNL de Moçambique devido a ataques terroristas

A Pertamina, principal empresa petrolífera da Indonésia, anunciou o cancelamento de um contrato de compra de gás natural liquefeito (GNL) de Moçambique, proveniente do projecto da TotalEnergies, que permanece suspenso desde 2021 devido a ataques terroristas.

O acordo, celebrado em 2019, previa a exportação de um milhão de toneladas de GNL para a Indonésia anualmente, ao longo de um período de 20 anos. Segundo o portal especializado em energia, Argus Media, a Pertamina citou “força maior” como justificativa para o cancelamento, indicando a situação desafiadora no projecto da TotalEnergies em Cabo Delgado, Moçambique.

O projecto da TotalEnergies, avaliado em mais de 20 mil milhões de dólares, é considerado um dos maiores investimentos do tipo em África. No entanto, as obras estão paralisadas desde 2021 devido a ataques terroristas na região. A petrolífera francesa anunciou a suspensão das actividades em Março de 2021, declarando a retomada condicionada à garantia de segurança na área.

Moçambique possui três projectos de desenvolvimento, aprovados para explorar as vastas reservas de gás natural na bacia do Rovuma, consideradas entre as maiores do mundo. Dois destes projectos, liderados por TotalEnergies (consórcio da Área 1) e ExxonMobil e Eni (consórcio da Área 4), visam canalizar o gás para terra, arrefecê-lo e exportá-lo em estado líquido.

O projecto da Área 4, liderado pelo consórcio ExxonMobil e Eni, ainda sem anúncio oficial, segue em desenvolvimento. Outro projecto concluído e de menor dimensão, pertencente ao consórcio da Área 4, envolve uma plataforma flutuante de captação e processamento de gás para exportação directa no mar, iniciada em Novembro de 2022.

A persistência do conflito em Cabo Delgado, que assola a província desde 2017, tem sido um factor crucial na interrupção das operações no sector. Grupos de rebeldes armados têm atacado aldeias e vilas, reivindicando ataques em nome do autoproclamado Estado Islâmico na região. O conflito já resultou em mais de 4.000 mortes e, pelo menos, um milhão de deslocados, de acordo com dados do The Armed Conflict Location & Event Data Project.

Com o cancelamento do contrato pela Pertamina, o sector de energia em Moçambique enfrenta desafios adicionais, destacando a complexidade da situação e a necessidade de abordagens estratégicas para garantir a segurança e continuidade dos investimentos na região.

Entrevistas Relacionadas

TotalEnergies assina acordo de segurança com empresa ruandesa para projecto em Cabo Delgado

Uma empresa de segurança apoiada pelo partido no poder...

Moçambique recebe investimento de $179 milhões dos EUA para energia renovável

Os Estados Unidos da América, por meio da US...

ENH certifica mais empresas para indústria do petróleo e gás

A Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH), através do projecto...