Quarta-feira, Fevereiro 21, 2024
spot_img

Área 1: TotalEnergies Espera Reiniciar Projecto de GNL em Janeiro

A TotalEnergies, o gigante francês do petróleo e do gás, pretende retomar as suas operações no projecto de gás natural liquefeito (GNL) da Área 1 da Bacia do Rovuma, em Moçambique, já em Janeiro de 2024, isto se as condições de segurança o permitirem, informou esta segunda-feira, 13 de Novembro, o portal de notícias  Rede BNN .

Sem avançar dados mais específicos sobre o assunto, o site que cita o diretor-geral da miltinacional, Patrick Pouyanné, refere que o relacionamento estará dependente do restabelecimento da paz e da estabilidade na província de Cabo Delgado e das disposições de medidas de segurança adequadas por parte das autoridades moçambicanas e das forças regionais.

Governo moçambicano também tem vindo a manifestar o seu compromisso

Patrick Pouyanne, citado pelo portal, terá ainda referido que a empresa está a trabalhar com base num orçamento e calendário revistos para o projeto, e que serão anunciados oportunamente, ainda em 2023.

Depois do Governo de Moçambique juntamente com os blocos regionais, como a Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) e o Governo ruandês, enviaram tropas e recursos para combater a insurreição e proteger as áreas do GNL, em Afungi, para uma intervenção militar tem. vindo a produzir efeitos tendo os militantes recuperado o controle de várias localizações estratégicas, incluindo Palma.

O Governo moçambicano também tem vindo a manifestar o seu compromisso e apoio ao projecto garantindo cooperação e colaboração à TotalEnergies e aos seus parceiros.

O Projecto

O projecto envolve o desenvolvimento de campos de gás offshore na bacia do Rovuma e a construção de uma fábrica de GNL em terra e de um terminal de exportação na Península de Afungi. Espera-se que o projeto gere receitas e benefícios significativos para a economia e o povo moçambicano, e que contribua para a transição e segurança energética global.

A TotalEnergies é o operador e o maior accionista do projecto, com uma participação de 26,5%. Os outros parceiros incluem a empresa pública moçambicana ENH, a empresa japonesa Mitsui, a tailandesa PTTEP e as empresas indianas ONGC Videsh, Bharat Petroleum e Oil India. O projecto assegurou contratos de longo prazo com compradores da Ásia e da Europa, como a China National Offshore Oil Corporation, a Tokyo Gas, a Centrica e a Shell.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Partilhe:

spot_imgspot_img

Mais Lidas

Notícias Relacionadas
Notícias Relacionadas

Potencial de gás natural em Moçambique pode render 100 mil milhões de dólares

A consultora Deloitte concluiu que as reservas de gás...

África do Sul: Sasol registou decréscimo nos lucros

A Sasol África do Sul divulgou recentemente uma actualização...

Eni fortalece cadeia de valor agrícola em Moçambique com produção de óleo vegetal

A Eni deu início à produção de óleo vegetal...

TotalEnergies Registou queda de 36% no lucro ajustado

A TotalEnergies, petrolífera francesa, registou uma queda de 36%...