Terça-feira, Julho 23, 2024
spot_img

Plano rodoferroviário para diminuir o tráfego de camiões

A Transnet e a Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM), a empresa ferroviária estatal de Moçambique, estão a cooperar para aumentar a quantidade de carga na linha ferroviária que atravessa a fronteira de Lebombo. “Um porto seco no posto fronteiriço de Ressano Garcia está em construção e quase concluído”, disse o porta-voz do CFM, Adelio Dias.

A modernização da linha ferroviária em Moçambique visa aumentar o comércio com a África do Sul e diminuir o número de camiões que utilizam a estrada através da fronteira de Lebombo.

“O porto seco destina-se ao transbordo de carvão, magnetite e outros minerais dos camiões rodoviários para os caminhos-de-ferro”. A empresa moçambicana empreendeu este projecto com o objectivo de descongestionar a EN4 que lidera a entrada e saída de Moçambique através do Posto Fronteiriço de Lebombo.

“O objectivo é ainda mais maximizar a utilização da linha ferroviária”, disse Dias. Não estão actualmente em construção novas linhas em Moçambique. A linha existente de Ressano Garcia, que verá melhorias significativas, foi construída em 1895 e ainda está a ser utilizada. “Na linha de Ressano Garcia, duplicamos a linha de Maputo até à estação de Matola Gare. Existe uma única linha desde a estação de Matola Gare até à estação de Ressano Garcia”, acrescentou Dias.

“Há um projecto em preparação para duplicar a linha desde a Estação de Matola Gare até à Estação de Moamba”. A linha de Ressano Garcia tem um comprimento de 88 km. Segundo Dias, a linha ferroviária no lado moçambicano da fronteira beneficiou de melhoramentos e reabilitação no valor de cerca de 20 milhões de dólares, o que incluiu melhoramentos nas pontes ferroviárias e melhoria da sinalização e telecomunicações.

Como parte da estratégia rodo-ferroviária da Transnet, definida em 2012, a Transnet Freight Rail (TFR) procura transferir anualmente pelo menos 2% do transporte ferroviário de mercadorias da estrada para o caminho-de-ferro, reduzindo assim o custo de fazer negócios na África do Sul. “A TFR está também ciente do facto de que uma rede ferroviária ligada regionalmente é fundamental para o crescimento económico do continente”, disse a porta-voz da Transnet, Jane Moshoeshoe.

Moshoeshoe assegurou que o caminho-de-ferro do lado sul-africano se encontra num estado adequado para lidar com o aumento da carga. “A infra-estrutura ferroviária do lado sul-africano da fronteira de Lebombo está em condições de ser utilizada e está operacional”, disse ela. “Tem havido um crescimento significativo dos volumes destinados a Maputo neste corredor”.

Entrevistas Relacionadas

Augusta Maita é nova Directora-Executiva do Millennium Challenge Account-Moçambique

A nomeação de Augusta Maita foi formalizada durante a...

Governo inicia manutenção de quase 5 mil quilómetros de estradas nacionais

O Ministério dos Transportes anunciou o início dos trabalhos...

Presidentes de municípios moçambicanos pedem seriedade nos fundos para estradas

Os presidentes dos 65 municípios de Moçambique expressaram preocupações...

BAD financia estudo de viabilidade para projecto integrado de Techobanine com $4 milhões

Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) vai desembolsar 4 milhões...