TotalEnergies sob pressão para a volta

No dia 16 de Agosto, o ministro dos Recursos Minerais e Energia de Moçambique, Carlos Zacarias, instou publicamente a TotalEnergies a suspender a declaração de força maior que interrompeu a construção da planta de liquefacção de GNL de Moçambique, com capacidade de produção anual de 12,9 milhões de toneladas, na província de Cabo Delgado, no norte do país.

A TotalEnergies, que controla o projecto LNG Mozambique através de uma participação de 26,5 porcento, pretende actualmente revogar a sua declaração de força maior no último trimestre deste ano.

Uma reunião para discutir o estado do projecto ocorreu na sede do grupo, na França, no fim de Agosto. Estiveram presentes nomeadamente o CEO Patrick Pouyanne e Maxime Rabilloud, chefe da subsidiária do grupo em Maputo.

O aumento no custo do projecto é uma grande fonte de preocupação para o grupo e está no centro das conversas que ocorrem entre ele e seu principal subcontratado CCS para a construção do empreendimento, uma joint venture formada pelo empreiteiro italiano Saipem, pelo grupo norte-americano McDermott e pela Chiyoda do Japão.

Relacionado  Aproximada ligação entre Maputo e Komatipoort

Vários executivos da TotalEnergies foram enviados para conversar com membros da joint venture para tentar encontrar formas de reduzir custos. O gerente de compras do LNG Mozambique, Lei von Habsburg-Lothringen, foi enviado a Milão há algumas semanas para um estágio de um ano na Saipem.

Assim que a cláusula de força maior for levantada, demorará entre seis e 10 meses até que a CCS possa retomar o trabalho no LNG Mozambique. A joint venture precisará se actualizar com seus próprios subcontratados. Além disso, é provável que procurem fundos adicionais, depois de terem passado mais de dois anos em espera, enquanto os preços das matérias-primas disparavam.

A TotalEnergies declarou oficialmente força maior em Abril de 2021, depois que o trabalho no LNG Mozambique foi interrompido em Dezembro de 2020. Isso permitiu ao grupo suspender o trabalho no projecto até que as condições de segurança melhorassem.

Em Julho de 2021, milhares de soldados do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) chegaram à província de Cabo Delgado. Desde então, o número de ataques perpetrados por grupos armados na província caiu drasticamente.

Relacionado  Total prepara reabertura do Sítio de Afungi

 

FONTECarta de Moçambique/Africa Intelligence

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui