Em breve segunda planta de rubis

A segunda planta triplicará a capacidade de processamento da MRM, evoluindo das actuais 200 toneladas por hora para 600 toneladas por hora, permitindo que a MRM processe seu stock considerável, traga ao mercado rubis mais variados em termos de tamanho e cor, bem como a expansão para novas áreas de mineração dentro da concessão.

Segundo um comunicado da firma, trata-se de um contrato baseado “nas boas práticas da indústria e da Federação Internacional de Engenheiros Consultores (FIDIC)”.

O acordo está sujeito a obrigações de pagamentos por parte da MRM em moeda sul-africana (Rand), equivalentes a aproximadamente 70 milhões de dólares, que inclui taxas de câmbio recentes.

A ideia é que 30 por cento do valor seja pago ainda este ano e 60 por cento no próximo e o restante fica por ser canalizado em 2025.

A nova planta de processamento, que foi financiada por recursos da empresa e por via da dívida, deve entrar em operação durante o primeiro semestre de 2025, avança o comunidado da empresa.

Relacionado  Aprovada concessão da Central Termoeléctrica de Nacala

O director-geral da MRM, Prahalad Kumar Singh, revelou que “este é o maior investimento alguma vez feito pelo Grupo Gemfields e representa o nosso compromisso contínuo com a província de Cabo Delgado, com Moçambique e com as nossas comunidades locais, para quem empregos adicionais e desenvolvimento económico são de importância crucial”.

A MRM é detida em 75 por cento pela empresa britânica Gemfields e em 25 por cento pelo sócio minoritário moçambicano Mwriti Limitada. A Consulmet é um grupo de engenharia especializado em construção acelerada de plantas de processamento de minerais com base em preços fixos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui