TotalEnergies e Shell planejam perfuração de exploração offshore na África do Sul

A TotalEnergies e a Shell estão considerando perfurar poços de exploração de petróleo na costa sudoeste da África do Sul, informou a Bloomberg News.

A medida ocorre meses depois que duas tentativas anteriores de realizar pesquisas sísmicas na costa do país enfrentaram desafios legais.

A SLR Consulting foi contratada para realizar uma avaliação ambiental para o programa de exploração proposto.

No aviso, visto pela Bloomberg, a SLR disse que a TotalEnergies está buscando comentários de empresas “interessadas e afetadas”. Convidou também as empresas potenciais a participar em reuniões públicas sobre o programa proposto.

A SLR disse: “O principal objetivo da fase de pré-candidatura é fornecer notificação inicial às partes interessadas e, especificamente, identificar e desenvolver o banco de dados das partes interessadas para o projeto”.

A TotalEnergies planeja realizar a perfuração de exploração em um poço na área. Com base na perfuração bem-sucedida, o trabalho incluirá mais quatro poços.

Em nome da TotalEnergies, foi emitido um aviso em três idiomas na África do Sul. Incluiu um plano de exploração detalhado para uma parte de 10.000 km² de um bloco, na costa entre a Cidade do Cabo e o Cabo das Agulhas.

Localizado entre 60km e 170km da costa, o bloco cobre lâminas d’água que variam de 700m a 3,2km.

A Petroleum Oil and Gas Corp. do governo da África do Sul é parceira no programa proposto.

Em 2019 e 2020, a TotalEnergies anunciou duas descobertas de condensado de gás na costa sul-africana.

Em um anúncio separado em Moçambique, o Société Générale (SocGen) foi selecionado pela Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) de Moçambique como o consultor financeiro para o seu plano de refinanciamento de uma participação no Gás Natural Liquefeito Flutuante (GNL) de US$ 7 bilhões, liderado pela Eni. projeto, informou a Bloomberg News.

A medida surge no momento em que a entidade estatal moçambicana pretende capitalizar os preços crescentes do gás, que aumentaram desde a invasão da Ucrânia pela Rússia.

O Ministro das Finanças de Moçambique, Max Tonela, disse: “Agora é mais atractivo para eles e menos arriscado estar envolvido.

“Agora, a ENH tem mais capacidade de angariar financiamento para desempenhar o seu papel de concessionária.”

O projeto Coral, localizado na costa norte de Moçambique, está previsto para iniciar a produção em outubro de 2022.

No início deste mês, a TotalEnergies anunciou que concordou em colaborar com a Sempra Energy nas exportações de GNL para ajudar a reduzir a dependência da Europa da energia russa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui