A CTA (Confederação das Associações Económicas de Moçambique) afirma que as empresas do país não estão à altura de responder a eventuais reivindicações salariais no sector privado no período actual.

A associação considera que as empresas ainda não reúnem condições para a retoma das discussões sobre o salário mínimo.

Esta é a posição defendida pelo sector privado, um ano depois da suspensão das negociações.

Pelo facto de as razões que levaram a esta decisão da suspensão das negociações sobre o salário minimo persistirem, a Confederação das Associações Económicas de Moçambique, através do seu vice-presidente, Vasco Manhiça, esclareceu que devido às dificuldades da conjuntura actual, as condições não estão reunidas.

Segundo Manhiça,”é impensável entrarmos num processo de negociação. Negociar nestas circunstâncias é claramente igual a ir negociar com alguém que está em coma”.

A posição do sector empresarial privado acontece numa altura em que, o custo de vida tem estado a registar um aumento assinalável em Moçambique.

De acordo com o vice-presidente da Confederação das Associações Económicas de Moçambique, “neste momento está-se a procura da pequena migalha e não há nenhuma empresa que neste momento está realmente a respirar de boa saúde”.

A Organização dos Trabalhadores de Moçambique, OTM-Central Sindical, considera que as partes, isto é, o governo, o patronato e os sindicatos devem retomar a mesa de negociações.

FONTERfi

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui