Segunda-feira, Maio 27, 2024
spot_img

Desenvolvimentos recentes na economia doméstica e perspectivas a curto prazo

O relatório divulgado pelo Banco de Moçambique, mostra os dados da conjuntura económica e perspectivas de inflação com o propósito de evidenciar as tendências económicas globais e incidências para o país.

Desenvolvimentos recentes da economia internacional e perspectivas

As perspectivas económicas apontam para a manutenção do crescimento económico mundial, aos níveis de 2023, e desaceleração da inflação em 2024 e 2025. Entretanto, os riscos e incertezas ao nível global mantêm-se elevados, perante a prevalência dos conflitos geopolíticos no Médio Oriente (Mar Vermelho) e Europa (Rússia – Ucrânia) que, em caso de alastramento, poderão resultar no recrudescimento da inflação.

 

 Actividade Económica e Inflação

No quarto trimestre de 2023, a actividade económica melhorou nos principais parceiros comerciais de Moçambique. Nas economias avançadas, os Estados Unidos da América (EUA) registaram um crescimento anual de 3,1 %, após 2,9 % no trimestre anterior, impulsionado pelos estímulos fiscais.

Por seu turno, a economia da Zona do Euro expandiu 0,1%, depois de uma estagnação no trimestre precedente, reflectindo um aumento no consumo público. No entanto, os efeitos negativos da guerra entre a Rússia e a Ucrânia, e a manutenção de condições monetárias restritivas, continuam a condicionar a recuperação da economia da Zona do Euro.

Nível das economias de mercados emergentes, destaca-se a recuperação da economia chinesa, que cresceu 5,2 %, mais 30 pontos base (pb) em relação ao trimestre precedente, impulsionada por estímulos fiscais. No mesmo sentido, realçam-se, ainda, a Índia, com um crescimento de 8,4 %, e a África do Sul, com 1,2 %, esta última, após uma contracção de 0,7 % no trimestre anterior. Para 2024 e 2025, as perspectivas apontam para uma manutenção do crescimento económico mundial, aos níveis de 2023, de acordo com a edição do World Economic Outlook (WEO) de Janeiro de 2024.

Tendências da Inflação

Inflacao

Mantém-se a tendência para desaceleração da inflação anual nas economias avançadas e emergentes. Em Fevereiro de 2024, a inflação anual da Zona do Euro desacelerou para 2,6 %, depois de 2,8 % no mês anterior, a traduzir a redução dos preços de energia. Comportamento similar foi observado na Índia, onde a inflação anual caiu para 5,1 %, favorecida pela redução dos preços dos combustíveis.

No entanto, no mesmo período, as restantes economias registaram uma aceleração da inflação anual, com destaque para a China, que, após quatro meses sucessivos de deflação, registou uma inflação anual de 0,7 %. Para 2024 e 2025, as perspectivas apontam para a manutenção da desaceleração da inflação anual, de acordo com a edição do World Economic Outlook (WEO) de Janeiro de 2024. Este comportamento é justificado pela prevalência de condições monetárias restritivas, sobretudo nas economias avançadas, onde os níveis de inflação continuarão acima da meta em 2024 (2 %) dos bancos centrais.

Preços das Mercadorias 

Exceptuando o brent, os preços das principais mercadorias transaccionadas pelo país reduziram. Entre as mercadorias de exportação, destaca-se a queda do preço do gás natural (-18,5 %) e do carvão térmico (-5,8 %), comparativamente ao registado no período da realização do CPMO de Janeiro de 2024. Em relação às mercadorias de importação, realça- se o aumento do preço do brent (3,0 %) e as reduções dos preços do trigo (-3,0 %) e arroz (-3,1%), quando comparado com os níveis verificados no último CPMO.

Desenvolvimentos recentes na economia doméstica e perspectivas a curto prazo

No quarto trimestre de 2023, o PIB real cresceu 5,4 %, a reflectir a melhoria da actividade económica na maior parte dos sectores, com destaque para a agricultura, pesca e serviços de transportes e comunicações. No curto prazo, excluindo a produção de gás natural liquefeito (GNL), prevê-se uma recuperação gradual da actividade económica, a reflectir as perspectivas de melhoria do desempenho da indústria extractiva e do sector terciário, não obstante os impactos dos eventos climáticos extremos.

Em Fevereiro de 2024, a inflação anual desacelerou para 4,0 %, a traduzir o abrandamento dos preços dos bens alimentares e dos administrados. Para o curto prazo, as perspectivas apontam para uma ligeira aceleração da inflação, a reflectir os efeitos dos choques climáticos e a repassagem do aumento dos preços dos combustíveis e da tarifa de portagem na África do Sul.

Veja o relatório completo em: Banco de Moçambique 

Entrevistas Relacionadas

Indústria extractiva: Saiba como funciona a partilha de benefícios com as comunidades hospedeiras

Há mais de uma década que houve a descoberta...

XIX da CASP: Quais empresas se destacam em qualidade na prestação dos seus serviços?

Durante a recente XIX Conferência Anual do Sector Privado,...

Conheça as razões por detrás das variações nos preços das commodities

Os preços médios de energia e commodities apresentaram um...

Oxford Economics: Crescimento da Economia de Moçambique abranda para 4,6% este ano

A previsão da Oxford Economics aponta para o regresso...