- Anúncio-

O Estado receberá cerca de um bilião de meticais de dividendos da CFM

Cerca de mil milhões de meticais de dividendos da empresa pública Mozambique Ports and Railways (CFM) serão pagos ao Estado este ano.

No ano económico e financeiro de 2020, o CFM gerou um rendimento líquido de mais de 5,2 mil milhões de meticais, um montante considerado positivo mesmo tendo em conta o impacto do Covid-19, o que condicionou a actividade empresarial no país e em todo o mundo.

Os factores que contribuíram especialmente para o desempenho da empresa incluem a retoma pela CFM da gestão do Porto de Nacala, a partir de Janeiro de 2020, depois de ter sido concessionada à CDN, e o desempenho positivo do terminal petrolífero do Porto da Beira, particularmente na movimentação de combustível em trânsito para os países do interior da África Austral.

Uma fonte do CFM declarou que, das receitas de 2020, cerca de 10% (522 milhões de meticais) seriam reservados para o fundo social, e outros 67% (3,5 mil milhões de meticais) para investimentos.

Nas recentes declarações financeiras de 2020, a empresa destaca que, em conformidade com os objectivos do seu Plano Estratégico 2018-2020, foram gastos aproximadamente cerca de 15 mil milhões de meticais no aumento do tráfego ferroviário, bem como no aumento da eficiência na movimentação de mercadorias nos terminais sob a gestão da empresa.

Em investimentos de grande escala, o ênfase vai para a aquisição de material circulante (dez locomotivas e 390 vagões), equipamento portuário (dois rebocadores, um barco, dois tractores), bem como a manutenção das infra-estruturas ferroviárias e portuárias (dragagem do canal de acesso ao Porto da Beira, melhoria do sistema de sinalização ferroviária, reabilitação de pontes e estações ferroviárias, entre outros).

Os investimentos tornaram possível um aumento do nível de produção e do tráfego ferroviário para cerca de 16,8 milhões de toneladas líquidas em 2020, contra os 19,4 previstos no plano estratégico, o que corresponde a 87% de cumprimento das metas.

“O ano fiscal de 2020 caracterizou-se por uma contracção da actividade económica global e nacional, em particular, devido aos efeitos do Covid-19, que afectou a redução do tráfego ferroviário em 18% e do tráfego portuário em 9%; pela depreciação do metical contra as principais moedas de transacção; pelas catástrofes naturais e ciclones que afectaram as infra-estruturas ferroviárias e portuárias”, detalha o relatório da empresa.

O sistema ferroviário CFM transportou cerca de 16.791.000 toneladas líquidas no ano passado, contra cerca de 20.577.000 em 2019, o que representa uma redução de cerca de 18%, e uma realização de 72% dos níveis previstos.

Segundo o CFM, o desempenho do sistema ferroviário foi afectado no ano passado principalmente pelo impacto do Covid-19 a nível global, e particularmente pelo “encerramento” dos principais corredores ferroviários no sul e centro da África Austral (África do Sul, Eswatini e Zimbabué).

- Anúncio-

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Anúncio-

Destaque

Presidente da ACIS incentiva as empresas a filiarem-se em associações

O Presidente da Associação de Comércio, Indústria e Serviços (ACIS) Luís Magaço Jr., encoraja os empresários a filiarem as...
- Anúncio-

More Articles Like This