Sábado, Junho 15, 2024
spot_img

Prevista recuperação gradual do PIB 2021 e 2022

O Millennium BIM prevê uma recuperação gradual do PIB nacional em 2021 e 2022 (1,2% e 3,8% respectivamente), em linha com as previsões económicas globais, impulsionado pela retoma da produção agrícola e industrial num contexto de melhoria da procura externa.

A valorização dos preços dos bens de exportação (sobretudo o carvão mineral e alumínio), a implantação generalizada de vacinas para travar o aumento de novos casos de COVID-19, o aumento do consumo e do investimento privado são factores determinantes para o relançamento da actividade económica em curto prazo.

Está previsto o início da produção de gás natural offshore em 2022, através da plataforma flutuante na Área 4, Coral Sul, admitindo que a segurança esteja restaurada nas regiões mais afectadas pelos ataques de grupo de insurgentes.

Eis as principais conclusões de um webinar que o banco organizou para discutir a conjuntura macroeconómica e oportunidades em tempos de crise. A sessão contou com a participação de Moisés Jorge, Administrador Executivo e João Milheiro, Director Corporate e foi apresentada por Oldemiro Belchior, Economista Chefe e Director da Banca de Investimento do Millennium bim.

A crise decorrente da pandemia de COVID-19 gerou um choque económico sem precedentes e está associada a elevados níveis de incerteza, mas a implementação coordenada de medidas de política monetária, fiscal e regulatória foi crucial no apoio à economia e na mitigação dos impactos sobre os agentes económicos, escreve o banco em comunicado.

Apesar das expectativas favoráveis, o banco frisa que “subsistem alguns factores de risco que podem condicionar a recuperação económica, designadamente a redução do fluxo de investimento directo estrangeiro e entrada de capitais agravando as pressões externas, a perda de valor da divisa nacional com afectação na subida do nível geral de preços (inflação), influenciando a postura conservadora da política monetária do Banco Central”.

O webinar passou em revista o agregado do sector bancário, com referência a 2020, destacando-se os indicadores de balanço, demonstração de resultados, solidez e qualidade de crédito dos maiores bancos do mercado moçambicano. A conclusão foi que “o Millennium bim mantém-se sólido e resiliente, comprovado pelo rácio de solvabilidade de 43.9% (nível mais elevado do sector) o que permite o Banco responder eficazmente às necessidades de financiamento e de liquidez da economia, num contexto particularmente desafiante”.

Entrevistas Relacionadas

Cenário Fiscal de Médio Prazo (2025-2027): Despesas públicas mantém pressão sobre as finanças públicas

O Produto das medidas em curso de consolidação orçamental...

Indicadores prudenciais e económico-financeiros da carteira móvel: M-Pesa, E-Mola e MKesh

O Banco de Moçambique (BdM) divulgou a avaliação dos...

Novo horário de trabalho proposto para Maputo visa descongestionar o trânsito

A cidade e província de Maputo poderão adoptar novos...

Moçambique responde ao GAFI com avaliação de ONGs: uma medida contra o financiamento ao terrorismo

O lançamento do relatório de avaliação de risco das...