Quinta-feira, Fevereiro 22, 2024
spot_img

ROMPCO pretende manter o fornecimento ininterrupto de gás

A Republic of Mozambique Pipeline Investments Company (ROMPCO), uma joint venture entre o Governo da África do Sul, de Moçambique e a Sasol, está a tentar manter o fornecimento ininterrupto do gás aos seus clientes em 2024, depois de ter conseguido o feito em 2023, informou esta quinta-feira, 1 de Fevereiro a Africa Review.

Motlokwe Sebake, director-geral, comercial e de assuntos do cliente da ROMPCO, citado pelo órgão, disse que a empresa está a tentar alcançar este objectivo – juntamente com zero fatalidades – apesar de um declínio esperado no fornecimento de gás dos campos de Pande e Temane, na província de Inhambane, Moçambique.

“A nossa estratégia para 2024 envolve a parceria com fornecedores e utilizadores de gás para procurar prontamente soluções alternativas e garantir um fornecimento de gás contínuo e fiável”, disse Motlokwe Sebake, acrescentando que também está a tentar expandir a sua base de clientes através de novas inscrições.

O responsável observou que se tem registado uma ênfase crescente no gás natural como combustível de transição ou de ponte, uma vez que apresenta emissões de carbono mais baixas em comparação com o carvão e o petróleo. Como tal, a procura global de Gás Natural Liquefeito (GNL) está a aumentar e a ser cada vez mais utilizado na produção de energia, na indústria e nos transportes, desencadeando grandes investimentos em infra-estruturas de GNL para facilitar o comércio internacional.

“A indústria do gás natural está actualmente a enfrentar desafios significativos, incluindo preocupações com o fornecimento do gás alternativo, preços elevados e incertezas decorrentes do declínio previsto dos campos de Pande e Temane”, comentou Motlokwe Sebake, sublinhando que “para resolver estas questões, o sector privado pode desempenhar um papel fundamental, promovendo a colaboração e trabalhando activamente para agregar o fornecimento do produto”.

O responsável explicou que este esforço tem o potencial de baixar os preços do gás e facilitar a decisão final de investimento no projecto da Unidade de Regaseificação de Armazenamento Flutuante da Matola, ao largo da costa de Moçambique. A par destes grandes projectos de infra-estruturas, Motlokwe Sebake afirmou também que a prioridade à formação, à sustentabilidade e à capacitação das comunidades é vital para o crescimento económico.

“A capacitação da comunidade, através da criação de emprego e apoio, contribui para o bem-estar económico e geral. Estas iniciativas criam um cenário em que todos ficam a ganhar, promovendo o sucesso das empresas e gerando empregos para uma economia próspera”, disse a fonte.

Motlokwe Sebake informou que neste ano, a ROMPCO irá angariar novos carregadores e clientes e que a organização continuará a desempenhar um papel vital na facilitação do transporte de gás para a África do Sul, a fim de satisfazer as necessidades energéticas regionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Partilhe:

spot_imgspot_img

Mais Lidas

Notícias Relacionadas
Notícias Relacionadas

Potencial de gás natural em Moçambique pode render 100 mil milhões de dólares

A consultora Deloitte concluiu que as reservas de gás...

África do Sul: Sasol registou decréscimo nos lucros

A Sasol África do Sul divulgou recentemente uma actualização...

Eni fortalece cadeia de valor agrícola em Moçambique com produção de óleo vegetal

A Eni deu início à produção de óleo vegetal...

TotalEnergies Registou queda de 36% no lucro ajustado

A TotalEnergies, petrolífera francesa, registou uma queda de 36%...