Quarta-feira, Julho 24, 2024
spot_img

Entrevista com Damien Howard do Mozambique Gas Summit

Conversámos com Damien Howard, Vice-Presidente de Energia na DMG Events, acerca do Mozambique Gas and Energy Summit and Exhibition. Com 8 anos de existência, este evento tem desempenhado um papel importante desde os primeiros anúncios da descoberta do gás em Moçambique.

Sob o lema “Desenvolvendo o Sistema Integrado de Energia Sustentável de Moçambique”, o evento aconteceu na sua 9ª edição, na capital moçambicana, Maputo, entre os dias 27 e 28 de Setembro de 2023.

Ficamos a saber como o evento tem ajudado a conectar moçambicanos e a indústria e a oferecer oportunidades de networking para as PMEs. Vamos conhecer melhor a visão de Damien.

Quais foram os pontos mais altos do Mozambique do MGSEE 2023 e que objectivos foram alcançadas?

O Mozambique Gas and Energy Summit é um dos eventos mais antigos da DMG. Tem sido fantástico trabalhar, ao longo dos anos, em parceria com a ENH, e com o governo para realmente compreender as oportunidades para o país.

Para nós, o objectivo sempre foi garantir que toda a cadeia de valor do gás e energia esteja representada. Esta é uma plataforma em Moçambique para que a comunidade internacional de gás e energia possa interagir com proponentes de projetos governamentais, players regionais e claro, moçambicanos e empresas locais.

Esforçamo-nos por garantir que seja um evento empreendedor e inovador, com valor e propósito. Acredito que os objetivos estão a ser alcançados nessa perspectiva.

Como compara esta edição com os anos anteriores?

Pela primeira vez, o Mozambique Gas and Energy Summit e a exposição esgotaram em termos de espaço de exposição disponível. Para nós, isso é um indicador significativo em várias dimensões. Primeiro, demonstra que há um crescente apetite por investimento em Moçambique. Em segundo lugar, que existem oportunidades emergentes no sector de energia, não apenas em gás e energia. Por último percebemos também um aumento de oportunidades nos domínios das energias renováveis e novas energias.

A exposição aumentou consideravelmente, com uma grande afluência de delegados internacionais. Para além do crescimento da exposição, tivemos também mais áreas de exposição de países tais como o França, os EUA, o Reino Unido e a Itália.

O nosso evento atraiu delegações do Congo, Tanzânia e tivemos também contingentes importantes da África do Sul, Nigéria, UEA e EUA. Estes desenvolvimentos provaram o sucesso desta edição.

Qual é o impacto do MGSEE na indústria tanto em Moçambique como além-fronteiras?

Só no sector de energia a DMG tem cerca de 180 conferências e exposições em todo o mundo, todavia, tentamos, sempre que possível, garantir que haja uma interconexão e interação entre todas estas conferências.

Seja na China, Dubai, Calgary ou Maputo, entendemos que haverá sempre oportunidades para o desenvolvimento de projetos de energia, seja no investimento, licitação, adjudicação ou até mesmo aprendizagem.

Fomentamos a interconexão global entre todos os Eventos. O nosso trabalho não é apenas fornecer a plataforma, mas também criar oportunidades entre diferentes nações, porque a indústria global de energia é muito interconectada.

Por exemplo, a delegação nigeriana que trouxemos ofereceu perspetivas sobre o desenvolvimento de conteúdo local na indústria de petróleo e gás. Na Nigéria, o conteúdo local está consagrado em lei há cerca de 10 anos. Todas estas discussões ajudam a elevar a indústria global de gás.

Como prevê o futuro do MGSEE em Moçambique?

Se, em 2012, pudéssemos ter olhado para 2023 e visto o quão longe chegámos, sentir-nos-íamos, claro, como nos sentimos agora: muito orgulhosos e muito entusiasmados. Estivemos lá a cada passo, testemunhando oportunidades surgirem e vimo-las converterem-se em projetos tangíveis que estão agora a ser entregues.

Mas o que está além disso? Estamos sempre a esforçar-nos não só para ultrapassar os nossos próprios limites e inovar, mas também para realmente ouvir e compreender a nossa comunidade, o nosso público.

Desde dar oportunidade e premiar os empreendedores e pequenas SMEs, fomentar e dar voz ao Forum das Mulheres na energia até contar os casos de sucesso dos profissionais do sector o MGSEE tem sido uma plataforma para todos.

Como objetivo futuro para o nosso 10º evento gostaríamos de abrir um escritório em Moçambique. Tendo já escritórios locais no Egipto, África do Sul e Nigéria, pois isso para nós, seria a melhor forma de celebrar a nossa 10ª edição.

Entrevistas Relacionadas

João Gaspar: “Antevê-se um crescimento significativo de Fintechs em 2024 e 2025”

Com mais de 30 anos de experiência nas áreas...

Sulemane Ibraimo: “As pessoas compram histórias, não apenas produtos”

Sulemane Ibraimo, fundador e CEO da Ubuntu Holdings, é...

João Figueiredo: “Nossa maior ambição é nos inspirarmos nas necessidades dos clientes”

O Presidente do Conselho de Administração (PCA) do Moza...

ʺPriorizamos uma consultoria de gestão de capital humano focada na humanização dos processosʺ

Vicente Sitoe é um nome que ganha cada vez...