Terça-feira, Julho 23, 2024
spot_img

Nyusi recebe CEO da TotalEnergies em Palma

Segundo uma nota de imprensa do gabinete de Nyusi, os dois homens discutiram “todos os aspectos relativos ao projecto Mozambique LNG, a desenvolver na Área Um da Bacia do Rovuma, incluindo a situação humanitária e de segurança em Cabo Delgado”.

A TotalEnergies lidera um consórcio que pretende construir duas centrais de liquefacção de gás natural na península de Afungi, distrito de Palma. No entanto, os trabalhos foram interrompidos e a TotalEnergies retirou os seus quadros, quando terroristas islâmicos atacaram e ocuparam a capital distrital, Pemba, em março de 2021.

Posteriormente, as forças de defesa e segurança moçambicanas e seus aliados de Ruanda e SAMIM (Missão Militar da SADC em Moçambique) expulsaram os jihadistas da cidade. O governo tem insistido repetidamente que pretende criar condições de segurança adequadas para a retomada do projeto de GNL.

Durante a sua visita, Pouyanne visitou a zona industrial de Afungi, a aldeia de reassentamento de Quitunda, a vila de Palma, e Mocimboa da Praia, outra vila que foi reconquistada aos terroristas na contra-ofensiva de 2022.

No final da visita, de acordo com o comunicado, Pouyanne disse a Nyusi que, na sua opinião, a situação em Cabo Delgado melhorou muito graças à actuação das forças moçambicanas e seus aliados.

Nyusi e Pouyanne “reconheceram que o regresso da população à vida normal e o restabelecimento gradual dos serviços públicos estão a decorrer a bom ritmo”.

No entanto, Pouyanne adiantou que a TotalEnergies contratou um especialista para aconselhar a empresa sobre a situação humanitária em Cabo Delgado.

Mozambique LNG é o segundo projeto de GNL a ser desenvolvido em Cabo Delgado, e o primeiro a ser realizado onshore (o primeiro foi a plataforma flutuante de GNL Coral South, a cerca de 40 quilómetros da costa de Cabo Delgado, operada pela empresa italiana de energia, ENI) .

O gás para o Mozambique LNG será bombeado dos campos de Golfinho e Atum, localizados na Área Um da Bacia do Rovuma, para Afungi onde serão construídas as duas centrais de liquefação (conhecidas como “comboios”). Terão capacidade instalada para produzir 13,1 milhões de toneladas de GNL por ano.

A TotalEnergies é a operadora e detém 26,5 por cento das ações da Mozambique LNG. Os outros parceiros no consórcio são a Mitsui do Japão (20 por cento), a própria National Hydrocarbon Company de Moçambique (15 por cento), a PTTEP da Tailândia (8,5 por cento) e as três empresas indianas Oil India, ONGC Videsh e Bharat Petroleum (10 por cento cada).

AIM

Entrevistas Relacionadas

TotalEnergies assina acordo de segurança com empresa ruandesa para projecto em Cabo Delgado

Uma empresa de segurança apoiada pelo partido no poder...

Moçambique recebe investimento de $179 milhões dos EUA para energia renovável

Os Estados Unidos da América, por meio da US...

ENH certifica mais empresas para indústria do petróleo e gás

A Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH), através do projecto...